Com Bruna Lima, Edoardo Ghirotto, Eduardo Barretto e Lucas Marchesini

PF descarta usar Lei de Segurança Nacional contra professor em Goiás

Preso por causa de adesivo “Fora Bolsonaro genocida”, Arquidones Bites é dirigente petista e ex-vereador

atualizado 31/05/2021 21:30

Arquidones BitesReprodução

A Superintendência da Polícia Federal em Goiás considerou nesta segunda-feira que o dirigente petista Arquidones Bites não desrespeitou a Lei de Segurança Nacional por causa de um adesivo “Fora Bolsonaro genocida”. A informação é da presidente do PT em Goiás, Kátia Maria.

“O delegado da PF nos disse há pouco que não vai dar prosseguimento ao caso porque não se enquadra na Lei de Segurança Nacional”, disse Kátia Maria. Arquidones Bites segue na PF em Goiânia e deve ser liberado em breve, completou a dirigente partidária.

O ex-vereador e dirigente petista Arquidones Bites foi detido nesta segunda-feira em Trindade (GO) por causa de um adesivo “Fora Bolsonaro genocida!” em seu carro. Acusado de descumprir a Lei de Segurança Nacional, Bites foi levado à Polícia Federal em Goiânia.

Segundo relatos de pessoas próximas, a mulher de Arquidones Bites foi abordada por policiais militares de Trindade quando deixava um salão de beleza, às 17h desta segunda-feira. Os policiais pediram que ela retirasse o adesivo “Fora Bolsonaro genocida” de seu carro. O veículo vermelho estampou os dizeres em seu capô.

A companheira de Bites não aceitou o pedido e chamou o ex-vereador, que foi algemado e detido pelos policiais.

Em Trindade, o delegado orientou que ele fosse levado à Superintendência da PF em Goiânia, onde ele depõe neste momento.

Arquidones Bites foi vereador de Trindade por dois mandatos. É professor e secretário de Movimentos Populares do PT goiano.

Assista ao vídeo.

 

Mais lidas
Siga as redes do Guilherme Amado
Últimas da coluna