Com Bruna Lima, Edoardo Ghirotto, Eduardo Barretto e Paulo Cappelli

Eduardo Paes ainda espera apoio do PT a Felipe Santa Cruz no Rio

Apesar de Lula ter acenado para Marcelo Freixo, do PSB, políticos do RJ creem que o ex-presidente só baterá o martelo após acertos nacionais

atualizado 15/02/2022 10:23

Lula e Eduardo Paes Divulgação/Ricardo Stuckert/ Instituto Lula

Embora esteja criticando a gula do PT, o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, ainda espera o apoio de Lula a seu candidato ao governo do estado, o ex-presidente da OAB Felipe Santa Cruz. Publicamente, Paes tem adotado outro discurso: declarou que o ex-presidente não tem relevância na eleição ao Palácio Guanabara.

Apesar de Lula ter acenado com o apoio à candidatura de Marcelo Freixo, do PSB, políticos do estado creem que o ex-presidente segue aberto para o diálogo com outras chapas. A avaliação é que o PT aguardará o cenário nacional se firmar para decidir quem apoiará no Rio.

Nacionalmente, o quadro permanece incerto. O ex-governador Geraldo Alckmin, cotado para ser vice de Lula, está dividido entre o PSB, partido de Freixo, e o PSD, partido de Paes e Santa Cruz. Nesta semana, o ex-governador paulista disse a aliados que a filiação ao PSD ainda é uma possibilidade.

Lula também afirmou a pesos pesados do Agronegócio que Alckmin deve ir para o partido presidido por Gilberto Kassab. O político petista assegurou a um grande empresário do setor que concretizará um acordo com o PSD e que Alckmin virá como seu vice.

Paes também tem se movimentado. Na semana passada, o prefeito e Ciro Gomes, pré-candidato do PDT ao Planalto, anunciaram que PSD e PDT estão negociando uma aliança para o governo do estado. Nesse cenário, ainda não se sabe quem encabeçaria a chapa: Santa Cruz ou o ex-prefeito de Niterói Rodrigo Neves.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
Publicidade do parceiro Metrópoles 2
Publicidade do parceiro Metrópoles 3
0

Já leu todas as notas e reportagens da coluna hoje? Clique aqui.

Siga a coluna no Twitter e no Instagram para não perder nada.

Mais lidas
Siga as redes do Guilherme Amado
Últimas da coluna