Com Bruna Lima, Edoardo Ghirotto, Eduardo Barretto e Paulo Cappelli

Eduardo Leite desistiu do PSD por desconfiar de planos de Kassab

Tucanos aliados de Eduardo Leite afirmam que o governador foi convencido a ficar no PSDB devido aos arranjos negociados entre Lula e Kassab

atualizado 25/03/2022 14:35

Governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite, saindo do STF após reunião sobre ICMS com a ministra Rosa Veber.Igo Estrela/Metrópoles

Os sinais de que Eduardo Leite ficará no PSDB se intensificaram devido à desconfiança que o governador do Rio Grande do Sul nutria em relação aos acordos negociados entre Lula e o presidente do PSD, Gilberto Kassab.

Tucanos aliados de Leite afirmam que o governador demonstrava insegurança para encabeçar um projeto num partido que deverá apoiar Lula no segundo turno da eleição.

Não significa que Leite apoiará Bolsonaro numa eventual disputa contra o petista, mas o arranjo já negociado entre Kassab e Lula fez com que o governador desconfiasse da viabilidade de sua candidatura pelo PSD.

Kassab decidiu não embarcar no projeto petista no primeiro turno porque o PSD lançará candidatos bolsonaristas para disputar governos estaduais e vagas na Câmara dos Deputados. A meta de Kassab é eleger uma bancada expressiva no Legislativo.

Leite também colocou na balança o apego que tem pelo PSDB e a ausência do clamor público que ele esperava para justificar a troca de partido. O anúncio deve ser feito por Leite na segunda-feira (28/3), em coletiva de imprensa no Palácio Piratini, a sede do governo do Rio Grande do Sul.

Com a permanência no PSDB, Leite deverá renunciar ao governo estadual para tentar viabilizar a sua candidatura à Presidência no partido. Os tucanos que apoiam o gestor gaúcho dizem que há espaço para Leite se tornar o indicado da legenda caso João Doria não se viabilize nas pesquisas de intenção de voto.

Em novembro, Leite foi derrotado por Doria nas prévias que determinaram o pré-candidato do PSDB ao Planalto.

0

Já leu todas as notas e reportagens da coluna hoje? Clique aqui.

Siga a coluna no Twitter e no Instagram para não perder nada.

Mais lidas
Siga as redes do Guilherme Amado
Últimas da coluna