Observadora do cenário político do DF, lança luz nos bastidores do poder na capital.

Ibaneis sobre operação do MPDFT: “Estou do lado dos nossos servidores de carreira. Acredito que agiram de boa-fé”

Governador sugeriu que promotores investiguem empresas que, em meio à pandemia, cobraram entre R$ 40 e R$ 170 pelos testes

atualizado 02/07/2020 12:17

Governador do Distrito Federal, Ibaneis RochaMichael Melo/Metrópoles

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), disse confiar nos servidores de carreira que atuam na Secretaria de Saúde e que, nesta quinta-feira (2/7), foram alvo de operação do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT) em conjunto com a Polícia Civil do DF. O emedebista pontuou ainda que está ao lado dos funcionários da pasta.

“Os funcionários da Saúde têm toda a minha confiança. Todos estes (alvos da investigação) são servidores de carreira. Não acredito que tenham se envolvido em um conluio. Mas vamos aguardar o que as investigações vão trazer de concreto. Até que se prove o contrário, eles agiram de boa-fé. Qualquer situação diferente disso terá de ser provada pelo Ministério Público junto à Justiça”, afirmou Ibaneis à Grande Angular, do Metrópoles.

Sobre a iniciativa de promotores de Justiça que investigam indícios de superfaturamento estimado em R$ 30 milhões na compra de testes rápidos para a detecção do novo coronavírus, Ibaneis sugeriu que esse esforço de apuração deveria se debruçar nas empresas que venderam os produtos para o DF e outras unidades federativas.

“Em um contexto de pandemia, no auge do desespero, quando o governo comprou os testes, por exemplo, estes produtos chegaram a variar entre R$ 40 e R$ 170. Hoje, você encontra o mesmo produto por R$ 50, R$ 70. Mas, naquele momento, em que se precisava garantir o bem-estar das pessoas, as empresas podem até ter se aproveitado da situação e atuado com preços mais caros. Ao governo, não restaram muitas alternativas”, disse Ibaneis.

O governador afirmou que o GDF enfrentou situação parecida ao adquirir os respiradores usados no tratamento intensivo de pacientes com o quadro agravado de Covid-19: “Da mesma forma, muitas empresas surgiram com produtos variados, de preços igualmente diferentes. Nós tentamos buscar o melhor custo benefício dentro de um cenário adverso”, ressaltou.

Ibaneis ressaltou que está disposto a intensificar as metodologias de transparência das ações de enfrentamento à Covid-19: “Meu papel é governar, resolver os problemas da população. E vou fazer isso sempre com a maior transparência possível”

Nesta semana, o MPDFT entrou na Justiça pedindo acesso em tempo real a dados como os que informam a superlotação em UTIs de hospitais da cidade. A 1ª Vara de Fazenda atendeu ao pedido e determinou que o GDF utilize apenas os relatórios diários elaborados pela Central de Regulação de Internação Hospitalar como fonte sobre leitos de UTI por entender que havia “considerável discrepância” nas informações oficiais.

Publicidade do parceiro Metrópoles
0

 

 

Mais lidas
Últimas notícias