Observadora do cenário político do DF, lança luz nos bastidores do poder na capital.

Deputado é condenado por fake news de Gleisi Hoffmann e Adélio Bispo

O deputado federal Beto Rosado (PP-RN) compartilhou, em um grupo, imagem que insinua amizade de Gleisi Hoffmann com Adélio Bispo

atualizado 25/11/2021 14:14

gleisi-hoffmannWilson Pedrosa/Fotos Públicas

O deputado federal Beto Rosado (PP-RN) foi condenado a se retratar e a pagar R$ 1,5 mil para Gleisi Hoffmann (PT-PR) por compartilhar fake news envolvendo a parlamentar e Adélio Bispo, homem que esfaqueou Jair Bolsonaro (sem partido) em 2018.

A sentença do 3º Juizado Especial Cível de Brasília foi publicada nesta quinta-feira (25/11). A presidente nacional do PT alegou à Justiça que Beto Rosado causou lesão à sua honra, ao enviar imagem, em um grupo de WhatsApp, na qual constavam insinuações de suposta amizade dela com Adélio Bispo.

Gleisi diz que Lula foi alvo de fake news em fala sobre ditador

O juiz André Gomes Alves entendeu que o deputado “agiu com imprudência ao replicar informação inverídica, pois dispunha de meios para averiguar a veracidade do fato antes de divulgá-lo em um ambiente coletivo de comunicação eletrônica”.

0

“Nesse sentido, ao divulgar de forma plúrima a mensagem ofensiva, sem checar previamente a veracidade, o acusado empreendeu comportamento descuidado com a honradez alheia, causando danos à honra objetiva da autora que devem ser reparados, na medida em que a negligência do requerido ofende o comportamento ético esperado de si dentro da moldura axiológica da boa-fé objetiva”, escreveu o magistrado.

Segundo o processo, a notícia falsa foi compartilhada pelo deputado em maio de 2021, “apesar de já ter sido amplamente publicada a sua falsidade ainda no ano de 2018”.

O magistrado julgou parcialmente procedentes os pedidos da petista para condenar Beto Rosado a não mais divulgar a fake news em qualquer meio de divulgação; pagar indenização de R$ 1,5 mil; e divulgar, no mesmo grupo em que compartilhou a imagem, retratação reconhecendo a falsidade da notícia.

Mais lidas
Últimas notícias