Que o “noivado” de Bolsonaro e Regina dure. E acabe sem casamento

Talento não precisa de culturocratas para nascer, crescer e vencer. A pasta deveria, na verdade, deixar de existir

Carolina Antunes/PR

atualizado 23/01/2020 15:04

Noivados que duram muito – ou pelo menos aqueles do tipo antigo, que passavam anos a fio sem maiores inconvenientes para as duas partes – costumam ser uma mão na roda para os noivos. Têm, basicamente, uma grande vantagem sobre os noivados curtos: evitam que as pessoas se casem e, com isso, para falar francamente, ambas acabam economizando um caminhão de problemas.

O noivado do presidente Jair Bolsonaro com a atriz Regina Duarte, para ver se ela aceita ou não ser a nova secretária da Cultura (no tempo de Gilberto Gil, o posto era de ministro) é uma chance única para não casarem e continuarem bons amigos.

A atriz, convidada para o cargo logo após a demissão do seu infeliz antecessor, afirmou, no começo, que estava apenas “noivando”. Agora, passados uns dias (o equivalente a anos nos noivados da vida real) e um almoço com o presidente, continua dizendo que está “noivando”.

Vai aqui, então, uma sugestão: continuem noivos para sempre e, enquanto noivam, a Secretaria da Cultura fica sem dono. Aí, com um pouco de sorte, ela acaba morrendo de morte morrida. Já tentaram outras vezes, sem dar certo. Quem sabe desse jeito a coisa desata?

O Brasil não precisa de um Ministério ou Secretaria da Cultura. Precisa, isso sim, salvar o seu belo patrimônio histórico e cultural de goteiras, incêndios, desabamentos, furtos e de todo tipo de ruína – e isso é garantido que o ministério ou a secretaria não fazem, nem vão fazer nunca.

Na verdade, a presença do Estado, principalmente quando envolve um negócio chamado “verba”, não é apenas inútil para a cultura – é um perigo. Deixem que o público responda, com o seu apoio voluntário, pelo sucesso cultural brasileiro. Talento não precisa de culturocratas para nascer, crescer e vencer.

* Este texto representa as opiniões e ideias do autor.

Últimas notícias