NYFW: Tom Ford mescla elegância e sensualidade na primavera/verão 2020

O desfile aconteceu nessa segunda-feira (09/09/2019), em uma estação desativada de metrô

Divulgação/Tom FordDivulgação/Tom Ford

atualizado 10/09/2019 18:47

Entre as atrações do Nova York Fashion Week, a passarela de Tom Ford sempre foi uma das mais esperadas. Neste ano, depois que o estilista assumiu a presidência do Conselho de Estilistas Norte-Americanos (CFDA) — organizador do evento —, a expectativa para a participação da marca homônima do charmain subiu ainda mais. No entanto Ford não decepcionou: preparou uma coleção repleta de referências memoráveis, misturando elegância e sensualidade.

Vem comigo saber tudo!

 

O local escolhido para a apresentação foi uma estação desativada de metrô, na Kenmare Street, em Manhattan. A ideia do aclamado estilista foi mostrar que a simplicidade do cotidiano é interessante. “Acho que é um momento de facilidade”, destacou em anotações mencionadas pela imprensa internacional. “Um retorno a roupas esportivas de luxo pelas quais os Estados Unidos se tornaram conhecidos em todo o mundo”, completou Ford.

A coleção foi inspirada em fotografias icônicas de Andy Warhol e Edie Sedgwick saindo de uma tampa de bueiro, ao lado de Chuck Wein, nos anos 1960. Nas imagens, a estrela do cinema underground vestia um look simbólico: collant, gola alta e meia-calça.

O estilo de Sedgwick foi usado como base. Ela usava leggins, tops, vestidos curtos e brincos enormes. A verdadeira representação do sexy com sofisticação, presente na passarela de Tom Ford.

Outra referência foi o filme Subway, de Luc Besson. Lançado em 1985, o longa foi gravado no metrô de Paris, com Isabelle Adjani e Christophe Lambert como protagonistas. “Lembro-me tão claramente quando o filme saiu, pensei em como os dois pareciam legais”, afirmou o estilista.

Burt Glinn/Reprodução
Andy Warhol, Edie Sedgwick e Chuck Wein, em 1965

 

Reprodução/Gaumont
Tom Ford se inspirou especialmente nos penteados do filme Subway para o desfile

 

O resultado foi uma coleção cheia de informação de moda, como já era de se esperar. Em geral, apesar de impactantes, as peças não são completamente performáticas e podem se encaixar perfeitamente em visuais do dia a dia ou em eventos.

Um dos destaques da primavera/verão 2020 de Tom Ford  foi o combo de peças mais casuais e íntimas, como short e sutiã, com a alfaiataria. Vale reparar em como ele brincou com a assimetria em produções rebuscadas.

Tom Ford levou para a passarela tops cintilantes, que pareciam esculturas sobre o corpo. Ele fez uma homenagem à colaboração da escultora francesa Claude Lalanne com Yves Saint Laurent, para o outono/inverno de 1969. Percebe-se ainda um toque de Anthony Vasccarello, atual diretor criativo da grife francesa, nas combinações de blazer oversized com “maiôs”.

Na paleta de cores, além do clássico preto, o designer apostou em tons vibrantes, como roxo, azul escuro e laranja. Também se jogou nas texturas e no atemporal animal print.

A grife norte-americana levou personalidades à estação de metrô para conferir de perto a coleção. Entre os convidados presentes, estavam Miley Cyrus,  Ansel Elgort, Russell Westbrook, Joan Smalls, Nina García, Julia Roitfeld, Rachel Zoe, Anna Wintour e Diane von Furstenberg.

 

 

Colaborou Rebeca Ligabue

SOBRE O AUTOR
Ilca Maria Estevão

Bacharel em psicologia pela Universidade Georgetown, em Washington D.C. (EUA). É apaixonada por moda e acompanha toda movimentação no universo fashion.

Últimas notícias