*
 
 

Com o valor mais alto já cobrado pela Agência de Desenvolvimento do Distrito Federal (Terracap), o terreno ao lado do ParkShopping foi retirado da recente licitação do órgão. Como mostrou a Grande Angular, o governo esperava arrecadar R$ 342,4 milhões com a venda do imóvel.

A razão alegada para a exclusão foi a ausência de licenciamento ambiental da área de 164 mil metros quadrados, situada às margens da Estrada Parque Indústria e Abastecimento (Epia). O despacho da Gerência Comercial da Terracap informa que o equívoco foi constatado “após inclusão do imóvel em licitação e já em momento posterior ao da impressão dos editais físicos”.

O terreno foi retirado do certame depois de o Metrópoles revelar o estranhamento provocado no mercado devido ao preço extraordinário. O licenciamento ambiental pode alterar a destinação do terreno, que, de acordo com o último edital, permitia construções de uso residencial, comercial de bens e serviços, de uso coletivo, institucional ou industrial.

Confira o local do terreno:

 

Wet’n Wild
Em 1996, há mais de duas décadas, o consórcio do parque aquático Wet’n Wild venceu concorrência da Terracap para explorar o terreno por 30 anos – prorrogáveis pelo mesmo período. As obras, no entanto, foram interrompidas nas primeiras escavações, quando os empreiteiros se depararam com dutos da rede de águas pluviais.

Após negativas do GDF quanto a mover os canais da região, mesmo se tratando de uma concessão pública, os empresários pediram a rescisão do contrato, a devolução do valor investido e a indenização do lucro cessante (montante que seria recebido caso a parceria tivesse sido bem-sucedida). A disputa está no Superior Tribunal de Justiça (STJ).

Esta foi a primeira vez que o espaço apareceu em uma licitação de venda. O consórcio Wet’n Wild Brasília tem preferência de compra do terreno.

Veja imagens do lote:



 


licitaçãoterracapvendaTERRENOWet'n wild