Observadora do cenário político do DF, lança luz nos bastidores do poder na capital.

BRB anuncia redução de taxas e aumento do prazo para empréstimos

Mudanças atingem, principalmente, o crédito imobiliário e condições para pessoas jurídicas. Objetivo é reposicionar o banco no mercado

atualizado 23/05/2019 23:13

Daniel Ferreira/Metrópoles

Melhores taxas para o crédito imobiliário e condições especiais para pessoas jurídicas. São essas as principais apostas do Banco de Brasília (BRB) para se reposicionar no mercado.

“Queremos reconquistar os clientes e consolidar o BRB como um importante agente de crédito”, afirmou o presidente da instituição financeira, Paulo Henrique Costa.

Uma das metas é operar com as menores tarifas para o crédito imobiliário – tanto para pessoas físicas quanto jurídicas. “Hoje, as taxas vão de 8% a 12%. Vamos passar a operar com 7,75% como ponto de partida e reestruturar toda a tabela”, explicou Costa. Os novos valores devem entrar em vigor nas próximas semanas.

Uma medida já adotada foi o aumento do montante destinado aos empréstimos para a compra de imóveis. “Alocamos R$ 350 milhões. No ano passado, foram aplicados pouco mais de R$ 90 milhões”, detalhou.

Para o presidente do BRB, as mudanças são estratégicas para atrair novos clientes e estimular a economia brasiliense, com o lançamento de novos empreendimentos imobiliários. “Ainda existe um vínculo muito forte dos brasileiros com a casa própria. Além disso, é um produto muito importante, por causa do prazo que o cliente fica com a gente. E acreditamos que vamos gerar emprego e renda com o incentivo à indústria local.”

Empresas
Outra estratégia do BRB é se aproximar dos empresários, oferecendo melhores condições de crédito e prazos mais longos – o período para o pagamento de empréstimo adotado pelo banco foi ampliado de 12 para 60 meses. “Nossos gerentes estão nas ruas para conversar e renegociar”, contou Costa.

Além disso, a instituição firmou convênios com entidades como Sindicato das Indústrias da Construção Civil (Sinduscon), Associação de Empresas do Mercado Imobiliário (Ademi), Associação Brasiliense de Construtores (Abrasco) e Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Distrito Federal (Fecomércio-DF).

“Tudo isso faz parte do reposicionamento completo do BRB. Nossa carteira de crédito para pessoa jurídica atualmente é de aproximadamente R$ 600 milhões, mas já avaliamos um volume de operações dentro do banco suficiente para dobrar esse valor, ou seja, R$ 1,2 bilhão ainda em 2019”, afirmou Costa.

Últimas notícias