Sem Bolsonaro, posse de Fernández na Argentina terá Lula

Ex-presidente brasileiro, que acaba de ser libertado da prisão após 580 dias, aceitou convite do novo presidente argentino

Reprodução/TwitterReprodução/Twitter

atualizado 16/11/2019 15:16

A posse do novo presidente da Argentina, Alberto Fernández, não terá a presença do presidente Jair Bolsonaro, que mandará o ministro da Cidadania, Osmar Terra, mas contará com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT).

Lula já avisou aos seus assessores que quer estar na posse do peronista, que tem como vice a ex-presidente Cristina Kirchner, no próximo dia 10 de dezembro. Bolsonaro apoiou a derrotada candidatura à reeleição de Maurício Macri. Fernández, por sua vez, já disse a Lula que se sentiria honrado com a presença do ex-presidente brasileiro.

A encrenca Bolsonaro-Fernández
Depois de dizer que os argentinos escolheram mal o novo presidente, logo após a eleição argentina, Bolsonaro afirmou na sexta-feira (01/11/2019) que não iria à posse de Alberto Fernández.

“Não vou dizer que devo ou não devo. Não vou”, disse Bolsonaro, arrancando aplausos de apoiadores que o aguardavam em frente ao Palácio da Alvorada.

O presidente sinalizou, no entanto, que não pretende impor retaliações ao país vizinho e que espera do novo governo, de esquerda, a continuidade na política com o Brasil.

“Olha a Argentina na situação complicada em que se encontra. Nosso irmão do sul. Peço a Deus que dê tudo certo lá. Torci pelo outro, né? Já que ganhou, vamos em frente. Não tem qualquer retaliação da minha parte […] e espero que eles continuem fazendo uma política conosco, semelhante ao que o Macri fez até momento “, declarou.

Eleito em primeiro turno, o peronista Fernández derrotou o atual presidente Mauricio Macri, que teve apoio do presidente brasileiro no início da campanha. Logo após a proclamação do resultado na Argentina, ele fez um gesto de apoio ao movimento Lula Livre (foto em destaque) no discurso de vitória e pediu que o mundo escutasse esse grito.

“Hoje [domingo] é o aniversário do Lula, um homem injustamente preso. Devemos continuar a pedir pela sua liberdade”, disse o presidente eleito, soltando, em seguida, o grito “Lula livre”.

Esse gesto irritou ainda mais o presidente brasileiro, que estava em viagem à Asia e ao Oriente Médio. Em meio ao périplo, Bolsonaro criticou a escolha das urnas no país vizinho. “Eu lamento. Não tenho bola de cristal, mas acho que os argentinos escolheram mal. O primeiro ato do Fernández foi ‘Lula livre’, dizendo que ele está preso injustamente. Já disse a que veio, sem contar que tem gente da esquerda lá”, disse.

SOBRE O AUTOR
Luciana Lima

Jornalista formada pela Universidade Federal do Espírito Santo (UFES), atua em redações de jornal, rádio, TV e internet desde 1998. Como repórter, trabalha na política nacional, em Brasília, atuando na cobertura das últimas campanhas eleitorais e reportando os fatos políticos e bastidores do Congresso e do Planalto. Também acompanhou acontecimentos internacionais de relevância, como a expansão da política externa brasileira na África e Oriente, o terremoto ocorrido no Haiti em 2010 e visitas presidenciais à Europa e à América Latina.

Últimas notícias