metropoles.com

Vídeo: vereadora tem microfone cortado ao defender mulher na política

Presidente da Câmara de Aparecida de Goiânia determinou que fala fosse interrompida: “Corta o microfone!”; revoltada, ela chorou em plenário

atualizado

Compartilhar notícia

Reprodução
vereadora de aparecida de goiânia, em goiás, tem microfone cortado ao defender mulheres na política
1 de 1 vereadora de aparecida de goiânia, em goiás, tem microfone cortado ao defender mulheres na política - Foto: Reprodução

Goiânia – A vereadora Camila Rosa (PSD), de Aparecida de Goiânia (GO), teve o microfone cortado durante uma sessão ordinária, nessa quarta-feira (2/2), ao retrucar falar do presidente da Câmara local e defender a presença de mais mulheres na política.

Ela, que é a única vereadora mulher da cidade, chegou a chorar, entre assustada e revoltada, no momento do ocorrido, e registrou um boletim de ocorrência nesta quinta-feira (3/2) por violência política contra a mulher.

Tudo começou depois que o presidente da casa, vereador André Fortaleza (MDB), falou sobre uma publicação feita por Camila nas redes sociais, na qual ela defendeu o espaço das mulheres e das minorias na política. Um seguidor da vereadora comentou elogiando a postura dela e afirmou que a Câmara de Aparecida é composta “por um bando de machistas”.

Veja o vídeo da discussão:

“Fake news”

Fortaleza defendeu-se, durante a sessão, dizendo que não tolera preconceitos: “Eu não sou machista. Sou contra fake news. Isso aqui para mim é uma fake news”.

Ele seguiu argumentando, e expôs: “Eu não sou contra classe feminina, sou contra cotas. Eu sou contra oportunismo, sou contra ilusionismo. E por mim, não adianta, pode ser mulher, pode ser homem, pode ser homossexual… Eu só falei que os direitos têm que ser iguais e os deveres, também”.

“Carapuça”

Ao ter o direito de fala, Camila rebateu, dizendo que não havia dito que ele era contra cotas. “Não disse isso. Agora, se o senhor entendeu isso, a carapuça pode ter servido. O senhor sempre fala de caráter, fala de transparência, mas parece que o senhor tem algum problema com isso”, disse ela.

Desse momento em diante, deu-se início a uma discussão calorosa entre os dois, até que o vereador determinou que fosse cortado o microfone dela:

“Corta o microfone dessa vereadora para mim. Agora!”.

Camila ficou assustada com a situação e começou a chorar. Durante a discussão, André Fortaleza chegou a dizer que ela fosse até uma delegacia, se ela achasse necessário. “Vai na delegacia e registra um B.O.. Fique à vontade, se a senhora achar que eu estou cometendo um delito”, alegou ele. E assim a vereadora o fez.

Registro da ocorrência

Após restabelecer o direito de fala e enfatizar que é esse o tipo de tratamento que as mulheres recebem na política, Camila deixou a Câmara e foi até uma delegacia da cidade.

Ela, primeiro, se dirigiu até a Delegacia da Mulher, mas foi informada que deveria ir a uma delegacia de área, pois o crime seria de violência política contra a mulher, delito que tornou-se crime em 2021.

Após o ocorrido, a assessoria da vereadora comunicou pelas redes sociais que ela estava sem condições emocionais de cumprir agenda no restante do dia.

Veja: 

 

Ver essa foto no Instagram

 

Uma publicação compartilhada por Camila Rosa️️️ l Vereadora (@camilarosago)

André Fortaleza alega que não atingiu pessoalmente a vereadora e que sempre defendeu as mulheres, aprovando todos os projetos ligados a elas. O vereador defende que a fala dele foi distorcida e que o caso não deve ser tratado como violência de gênero.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações