metropoles.com

TSE homologa desistência do PL de ação contra festival Lollapalooza

Partido do presidente Jair Bolsonaro ajuizou ação contra manifestações políticas de artistas no festival de música

atualizado

Compartilhar notícia

Reprodução
festival lollapalooza
1 de 1 festival lollapalooza - Foto: Reprodução

O ministro Raul Araújo, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), homologou na noite desta segunda-feira (28/3) a desistência de ação do Partido Liberal (PL), do qual o presidente Jair Bolsonaro faz parte, contra o festival de música Lollapalooza Brasil.

A sigla havia acusado artistas do evento e organizadores de propaganda eleitoral antecipada. A ação conseguiu uma decisão provisória, dada por Araújo, que proibiu manifestações consideradas eleitorais durante os shows do festival, realizado em São Paulo, nesse fim de semana.

“Ressalto que a decisão anterior foi tomada com base na compreensão de que a organização do evento promovia propaganda política ostensiva estimulando os artistas – e não os artistas, individualmente, os quais têm garantida, pela Constituição Federal, a ampla liberdade de expressão”, afirma a decisão.

O ministro finaliza: “Homologo a desistência da representação para que produza seus efeitos jurídicos e legais, revogando a liminar parcialmente deferida (…) e, por conseguinte, determino a extinção da ação sem resolução de mérito”.

Antes da desistência, pedida por Bolsonaro, era ventilada a possibilidade de o tema ser levado ao plenário “de imediato”. Pelo menos, este era o desejo do presidente da Corte, ministro Edson Fachin. Ele aguardava a liberação de pauta pelo relator.

Festival recorreu

empresa responsável pelo Lollapalooza, a Time 4 Fun, recorreu, na tarde de domingo, da decisão do ministro Raul Araújo.

Em documento encaminhado à Corte eleitoral, a organização do evento dizia não ter como cumprir a determinação que “veda manifestações de preferência política” durante a apresentação dos artistas, tampouco controlar e proibir o conteúdo das falas, visto que o show não foi contratado com o objetivo de “promover qualquer candidato ou influenciar na campanha eleitoral”.

A empresa ainda ressaltou que os episódios representam “o exercício regular da liberdade de expressão” e são manifestações de caráter pessoal e de responsabilidade exclusiva dos artistas, pois tais ocorrências “referem-se a posições políticas, ou seja, a questão que deve justamente ser objeto de discussão pública, livre e insuscetível de censura”.

Na ação, o advogado Cristiano Zanin destaca que a lei eleitoral não veda que, antes de 15 de agosto, os cidadãos possam “exaltar qualidades pessoais dos pré-candidatos, desde que não haja pedido explícito de voto”. E argumenta que a decisão do ministro Raul Araújo é inconstitucional, ao tolher a liberdade de expressão.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações