*
 

O presidente Michel Temer usou a expansão de 1% no PIB de 2017 para dizer ter cumprido com o previsto no documento “Uma Ponte para o Futuro”, lançado pelo MDB em 2015, e que a crise econômica no Brasil acabou definitivamente. Em mensagem no Twitter, o emedebista disse ainda que não deixará “o país andar para trás”.

“Eu cumpri o que escrevi no documento Ponte para o Futuro: coloquei a economia do Brasil de pé outra vez. Agora podemos avançar. Não vou deixar o país andar para trás”, diz a mensagem publicada pelo presidente.

Em entrevista à rádio Tupi do Rio de Janeiro, na manhã desta quinta-feira (1°/3), o presidente Michel Temer comemorou o resultado do PIB 2017, divulgado pelo IBGE, de expansão de 1%, a primeira desde 2014 (quando subiu 0,50%). “Isso representa esperança para o país.” E argumentou que, sob a sua batuta, “tudo tem sido crescimento no país”, nos setores industrial, varejista e até mesmo no social. “Não descuidamos dos programas sociais, mantenho o Bolsa Família, mas esse não pode ser um programa eterno”, ponderou.

No início da entrevista, o emedebista falou do reaquecimento da economia em sua gestão e da previsão de geração de 3 milhões de novos postos de trabalho em 2018. “A Bolsa de Valores está em quase 88 mil pontos; os juros e a inflação caíram sensivelmente. Na prática, isso significa que os preços para a população, nos supermercados, estão caindo e os empregos estão sendo retomados”.

Redes sociais
De acordo com o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, a alta de 1% do Produto Interno Bruto (PIB) inaugura um novo ciclo de crescimento do país, que terá continuidade em 2018. No Twitter do Ministério do Planejamento, Oliveira afirmou que a recessão do Brasil “acabou” e previu uma expansão de 3% do PIB em 2018.

“Expansão do crédito, volta do investimento, manutenção da inflação baixa e principalmente a melhora da renda são elementos que levarão a um crescimento do PIB de 3% em 2018”, afirmou Dyogo Oliveira. Para ele, esse crescimento reflete a melhora das condições econômicas do Brasil e é resultado das políticas adotadas desde o início do governo Temer.