metropoles.com

Seape pede ao STF que determine retirada de tornozeleira de Silveira

A Secretaria de Administração Penitenciária pede que Alexandre de Moraes autorize a desvinculação do dispositivo de monitoramento

atualizado

Compartilhar notícia

Igo Estrela/Metrópoles
Daniel Silveira sai da PF após colocar tornozeleira eletrônica por determinzação do ministro do STF Alexandre de Moraes. No destaque, a equipamento preso em seu tornozelo - Metrópoles
1 de 1 Daniel Silveira sai da PF após colocar tornozeleira eletrônica por determinzação do ministro do STF Alexandre de Moraes. No destaque, a equipamento preso em seu tornozelo - Metrópoles - Foto: Igo Estrela/Metrópoles

A Secretaria de Estado de Administração Penitenciária do DF (Seape) pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) a desvinculação e devolução da tornozeleira eletrônica do deputado federal Daniel Silveira (PTB). A solicitação foi feita ao ministro Alexandre de Moraes, relator do inquérito no STF.

No documento, a pasta pede “bons préstimos” da Corte para autorizar a retirada do equipamento. Daniel Silveira não usa a tornozeleira desde 17 de abril, mesmo sendo uma medida cautelar a ser cumprida após condenação do STF.

Silveira recolocou a tornozeleira em 31 de março, na Superintendência Regional da Polícia Federal no Distrito Federal, após decisão de Moraes.

Alegações da defesa

Neste domingo (1º/5), valendo-se do indulto concedido pelo presidente Jair Bolsonaro (PL), a defesa do parlamentar enviou ao STF pedido para que seja encerrado o processo em que ele foi condenado a 8 anos e 9 meses de prisão por ter defendido atos da ditadura e feito ataques e ameaças a ministros da Corte.

advogado Paulo César Rodrigues de Faria também pediu ao relator da ação penal, o ministro Alexandre de Moraes, que devolva R$ 100 mil que Silveira pagou de fiança e suspenda medidas restritivas que foram impostas ao parlamentar ao longo do processo, como a proibição de postar em redes sociais. A defesa quer ainda que o STF devolva os celulares de Silveira, apreendidos em operações policiais.

“Tendo em vista a perda do objeto da presente ação penal, diante da clemência presidencial ao ora requerente [Silveira], que em seu Art. 3º lhe concedera o perdão às suas condenações nas penas privativas de liberdade, multas, inclusive inscritas em dívida ativa, e restritivas de direitos, pugna pelo arquivamento da presente AP [ação penal]”, escreveu o advogado.

Perda de prazo

A defesa de Daniel Silveira pediu o encerramento da ação após ter perdido o prazo para explicar porquê Daniel Silveira não estava usando o equipamento de monitoramento eletrônico.

O prazo para a defesa explicar o descumprimento da medida cautelar referente ao uso da tornozeleira eletrônica acabou sem qualquer manifestação nos autos da Ação Penal nº 1044. Nesta sexta-feira (29/4), o STF informou em Certidão de Ausência de Manifestação que o prazo foi encerrado sem a defesa se pronunciar.

O ministro Alexandre de Moraes tinha dado o prazo de 48 horas para a defesa do parlamentar explicar o descumprimento da medida cautelar, situação que é passível de multa se a determinação não for cumprida.

Antes, a Secretaria de Estado de Administração Penitenciária do DF (Seape) avisou ao STF que a tornozeleira do deputado estava descarregada desde o Domingo de Páscoa (17/4), o que impede seu monitoramento.

 

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações