RJ: ato contra “genocídio do povo negro” lembra mortes no Jacarezinho

Integrantes da ONG Coalização Negra por Direitos pediu controle da atuação das polícias. No último dia 5, 28 morreram em ação policial

atualizado 13/05/2021 19:40

Manifestação do Movimento Negro contra a violência na CandeláriaFoto: Aline Massuca/Metrópoles

Rio de Janeiro – Integrantes da ONG Coalização Negra por Direitos realizaram uma manifestação contra o “genocídio do povo negro” e controle social da atuação das polícias, na Candelária, no centro, nesta quinta-feira (13/5). No últio dia 6, uma ação da Polícia Civil resultou na morte de 27 acusados de envolvimento com o tráfico de drogas e mais o policial civil André Frias, na comunidade do Jacarezinho, zona norte.

Veja o vídeo:

A ação é considerada a mais letal da história do estado. “Nem bala, nem fome e nem Covid”, escreveu a deputada estadual Renata Souza (PSol), em uma rede social. A parlamentar participou do protesto, que seguiu até a Cinelândia, também no centro.

O protesto aconteceu também em comemoração ao Dia Nacional de Denúncia Contra o Racismo. O ato “13 de maio de luta” reivindica o fim do genocídio da população negra e o controle social da atuação das polícias.

Além do Rio de Janeiro, a mobilização incluía outras 14 capitais: Salvador, Belém, Brasília, Porto Alegre, Recife, São Paulo, Macapá, Goiânia, Teresina, Belo Horizonte, Rio Branco, Cuiabá, João Pessoa, Fortaleza, Vitória e Manaus.

0

Últimas notícias