PSol, Rede e PT querem mansão de Flávio Bolsonaro no Conselho de Ética

Parlamentares e representantes dos partidos cobraram abertura de processo por quebra de decoro

atualizado 03/03/2021 13:14

Reprodução / Facebook

Parlamentares e representantes de PSol, Rede e PT protocolaram, nesta quarta-feira (3/3), ofício cobrando abertura de processo por quebra de decoro parlamentar do senador Flávio Bolsonaro (Republicanos-RJ), no Conselho de Ética do Senado Federal. Eles solicitam esclarecimento sobre a aquisição da mansão de R$ 6 milhões em Brasília.

“Novas e gravíssimas denúncias de movimentações financeiras incompatíveis com os rendimentos declarados pelo senador Flávio Bolsonaro, ora representado, inundaram o noticiário nacional. Não é a primeira vez que transações imobiliárias são colocadas em cheque por investigadores do Ministério Público do Rio de Janeiro, razão pela qual merecem ser amplamente esclarecidas e investigadas”, diz o pedido.

Não é a primeira vez que os partidos oferecem representação ao colegiado contra o senador. A primeira foi em fevereiro de 2019 por causa das denúncias da relação do filho 01 do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) com as supostas práticas de rachadinha, quando o parlamentar pega de volta parte do salário de assessores.

0

Depois, em maio 2019, nova representação veio quando houve denúncias de o senador ter obtido acesso à informação privilegiada, por meio de informante do alto escalão da Polícia Federal sobre as investigações de rachadinha.

Posteriormente, em junho de 2020, em razão da prisão do ex-assessor do senador, Fabrício Queiroz, operador do esquema das “rachadinhas”, houve outra representação.

Mais recentemente, em dezembro de 2020, os partidos fizeram novo aditamento, a partir de denúncias sobre o uso indevido da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) pelo governo federal para auxiliar na defesa de Flávio Bolsonaro.

Últimas notícias