Moro aprova saída de Alvim por vídeo nazista: “Episódio bizarro”

Ministro afirma que não se posiciona publicamente sobre episódios como o vídeo ou o ataque à produtora do Porta dos Fundos por "hierarquia"

Foto reprodução: Andre Borges/Esp. Metrópoles

atualizado 20/01/2020 22:51

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, atribuiu a um senso de “hierarquia” o fato de não ter se posicionado publicamente após episódios como o atentado terrorista à produtora do programa Porta dos Fundos, em dezembro último, ou o vídeo do então secretário de Cultura, Roberto Alvim, com cópia quase literal de frases do ministro da Propaganda nazista, Joseph Goebbels.

“Não cabe ao ministro da Justiça ser um comentarista sobre tudo, um comentarista político”, disse Moro. Pressionado pelos integrantes da bancada de entrevistadores com a avaliação de que havia crimes envolvidos nos episódios, o ex-juiz federal afirmou ter considerado o incidente um “episódio bizarro”.

“A minha opinião eu dei ao presidente. Ao meu ver, ele tomou a decisão correta. Era insustentável”, avaliou. “Ele é o chefe do Poder Executivo.”

As declarações foram dadas na noite desta segunda-feira, em entrevista ao vivo no programa Roda Viva, da TV Cultura.

Últimas notícias