Girão questiona Mandetta sobre aglomerações: “Erro ou hipocrisia?”

Senador citou dois episódios em que o ex-ministro foi flagrado descumprindo medidas de restrição para impedir contágio pelo novo coronavírus

atualizado 04/05/2021 17:32

Mandetta é recebido por servidores e tem o quadro de ministros adicionado na parece do ministério. Foto: Igo Estrela/MetrópolesFoto: Igo Estrela/Metrópoles

O senador Eduardo Girão (Podemos-CE) provocou, em sessão da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid, o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, ao mencionar episódios em que o médico foi flagrado promovendo supostas aglomerações e descumprindo medidas de isolamento social. Mandetta negou as acusações e disse que os episódios ocorreram “dentro das regras estabelecidas para aquele momento, no local em que estava”.

Girão citou o último dia do ministro frente à pasta. “Em abril, o senhor foi flagrado abraçando, cantando sem máscara, aglomerando no próprio Ministério da Saúde. Já em novembro de 2020, o senhor estava jogando sinuca. Isso foi um erro ou isso foi hipocrisia?”, indagou Girão.

Mandetta se defendeu afirmando que, na primeira ocasião, todos os servidores flagrados abraçando-o estavam testados. “Trabalhávamos com conselho de biossegurança forte. Conseguimos atravessar com toda a equipe sem um caso, todo mundo foi testado no teste rápido. Eu a abracei [uma servidora] – não deveria, mas era muita emoção naquele momento.”

Sobre o episódio em que foi flagrado jogando sinuca, o ex-ministro também se defendeu. “Quanto ao segundo ato, estávamos em eleições municipais e esse estabelecimento estava aberto. Estávamos, eu e meu filho, tendo uma conversa de pai pra filho, dentro do que eram as regras da minha cidade”, disse.

Carnaval

Girão ainda questionou o motivo de o Ministério da Saúde, sob a gestão de Mandetta, não ter recomendado a suspensão das festividades de Carnaval no país, na época inicial da pandemia, em fevereiro de 2020.

“Nós seguíamos as recomendações da Organização Mundial da Saúde, que não mandou fechar voos da China, que expressamente dizia para não fazer restrição de movimentação. Não havia nenhum caso no Brasil, o mundo estava ainda andando”, justificou.

0
Depoimentos

Mandetta foi o primeiro ministro da Saúde durante a pandemia da Covid-19. Ainda nesta terça-feira, a comissão prevê ouvir o sucessor de Mandetta, ex-ministro Nelson Teich. Eles foram convocados na condição de testemunhas.

A CPI da Covid-19 tem o objetivo de investigar as ações e omissões do governo federal no enfrentamento à pandemia e, em especial, no agravamento da crise sanitária no Amazonas com a ausência de oxigênio, além de apurar possíveis irregularidades em repasses federais a estados e municípios.

Últimas notícias