Fernández pede a Bolsonaro fim de “diferenças do passado” para fortalecer o Mercosul

Na primeira conversa entre os dois, o presidente Argentino ressaltou que é preciso apostar na concordância para fortalecer o bloco

atualizado 30/11/2020 16:17

Alberto FernándezReprodução/Casa Rosada

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) se reuniu virtualmente, nesta segunda-feira (30/11), pela primeira vez com o presidente da Argentina, Alberto Fernández, pouco mais de um ano após a eleição do argentino. De acordo com nota divulgada pela Casa Rosada, sede do governo argentino, o peronista pediu que diferenças políticas entres os dois sejam deixadas de lado pensar no fortalecimento do Mercosul.

“Estou realizando esta reunião para dar o impulso de que o Mercosul precisa. É imperativo que Brasil e Argentina o façam juntos”, disse Fernández. Além disso, de acordo com a nota do governo argentino, o presidente do país pediu empenho para deixar “as diferenças do passado e enfrentar o futuro com as ferramentas que funcionam bem entre nós” e “realçar todos os pontos de concordância”.

O encontro virtual foi pedido por Fernández e contou com a participação do ex-presidente José Sarney.

“É um dia muito importante para a Argentina, o Brasil e todo o continente”, disse. Nesta segunda, os dois países celebram os 35 anos da Declaração do Iguaçu, tratado assinado pelos ex-presidentes Raúl Alfonsín e Sarney, em Foz de Iguaçu, em 1985. O documento lançou a ideia da integração econômica e política do Cone Sul, numa fase de redemocratização. Aquele encontro é considerado o primeiro passo para a fundação do Mercosul.

Quanto à cooperação bilateral entre os dois países, Fernández indicou: “Continuamos a progredir em matéria de segurança e das Forças Armadas. Precisamos trabalhar juntos na questão ambiental — um assunto que nos preocupa muito. Devemos fazer um acordo de preservação ”, disse.“ Temos oportunidades em desenvolvimento para fornecer gás à Argentina e ao Brasil”.

O governo brasileiro publicou, na parte da tarde, imagens do encontro, que não constou na agenda oficial do presidente da República. No evento, segundo a nota divulgada pela Argentina, Bolsonaro ressaltou que “o Mercosul é o nosso principal pilar de integração”, ao mesmo tempo que apelou à geração de “mecanismos mais ágeis e menos burocráticos” no quadro do organismo multilateral. Ele também expressou sua vontade de avançar em áreas de interesse comum, “especialmente no campo do turismo”.

Fernández acrescentou: “Nossas forças armadas têm uma integração excelente. Fortaleceremos essa relação nas indústrias de defesa e avançaremos no combate ao narcotráfico e ao crime transnacional”.

O encontro virtual aconteceu no Palácio da Alvorada e contou também com a participação do ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araújo; do ministro das Relações Exteriores, Comércio Internacional e Culto, Felipe Solá; do embaixador da Argentina no Brasil, Daniel Scioli; além do secretário de Assuntos Estratégicos, Flavio Viana Rocha.

Não houve, por parte do Palácio do Planalto a divulgação de nenhuma informação sobre a reunião. De acordo com informações divulgadas pelo lado argentino, Fernández participou da videoconferência na residência de Olivos. Houve uma comemoração do Dia da Amizade Argentina-Brasil, e antes disso, uma conversa entre os dois governantes.

De acordo com o governo argentino, no encerramento da cerimônia, o ex-presidente brasileiro, José Sarney, desejou ao presidente Fernández “sucesso no governo” e explicou: “Esta data foi escolhida para lembrar o início do Mercosul, onde buscávamos crescer e formar um grupo competitiva a nível internacional para ampliar a integração de nossos países ”.

0

 

Últimas notícias