CPI ouvirá Ricardo Barros, líder do governo, na próxima semana

Também haverá o depoimento do presidente do Instituto Força Brasil, coronel Helcio Bruno, citado no caso das 400 milhões de doses de vacinas

atualizado 05/08/2021 17:58

Ricardo Barros, líder do governo na CâmaraIgo Estrela/Metrópoles

O presidente da CPI da Covid-19, Omar Aziz (PSD-AM), divulgou, nesta quinta-feira (5/8), o calendário de depoimentos da comissão da próxima semana, com o presidente do Instituto Força Brasil, coronel Helcio Bruno, e o deputado federal Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo Jair Bolsonaro na Câmara.

O coronel Helcio Bruno prestará depoimento na próxima terça-feira (10/8), o empresário José Alves Filho, representante da Vitamedic, será ouvido na quarta-feira (11/8) e Barros, na quinta-feira (12/8).

O Instituto Força Brasil já foi citado algumas vezes por Cristiano Carvalho e Luiz Paulo Dominguetti, da Davati Medical Supply, e pelo reverendo Amilton Gomes de Paula como intermediário entre vendedores de vacinas e o Ministério da Saúde. “[Helcio Bruno] Era negacionista, mas queria negociar vacina”, afirmou Aziz.

A entidade bolsonarista tem como vice-presidente, Otávio Fakhoury, investigado no inquérito das Fake News que tramita no Supremo Tribunal Federal (STF).

“A Vitamedic foi quem bancou a publicidade de medicamento não comprovado cientificamente [para o tratamento da Covid-19] e teve aumento assustador no faturamento com a pandemia”, acrescentou.

Já Barros foi citado no depoimento dos irmãos Miranda como a pessoa que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) disse estar envolvido no esquema das negociações irregulares da vacina indiana Covaxin. Após os ilícitos virem à tona, o governo suspendeu o contrato. Bolsonaro nunca negou.

Barros, todavia, nega qualquer envolvimento e cobra há tempos a marcação do seu depoimento à comissão.

Últimas notícias