CPI não produziu nada a não ser ódio e rancor, diz Bolsonaro

Em agenda no Ceará, presidente afirmou que a comissão apenas tomou tempo do ministro da Saúde, de servidores e empresários

atualizado 20/10/2021 14:42

Rafaela Felicciano/Metrópoles

Durante agenda no Ceará nesta quarta-feira (20/10), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou que a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Covid-19 não produziu nada além de “ódio e rancor”. O relatório final foi apresentado nesta quarta por Renan Calheiros (MDB-AL). O documento pede indiciamento de 66 pessoas e duas empresas.

Entre os nomes, estão o do presidente da República e de três de seus filhos – o vereador pelo Rio de Janeiro Carlos (Republicanos-RJ), o senador Flávio (Patriota-RJ) e o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) –, além dos ministros Wagner Rosário (Controladoria-Geral da União), Walter Braga Netto (Defesa) e Onyx Lorenzoni (Trabalho e Previdência).

Após parte dos apoiadores gritarem “Renan vagabundo”, Bolsonaro reagiu: “A voz do povo é a voz de Deus”.

0

“Como seria bom se aquela CPI estivesse fazendo algo de produtivo para o nosso Brasil. Tomaram tempo de nosso ministro da Saúde, de servidores, de pessoas humildes e de empresários. Nada produziram a não ser o ódio e o rancor entre alguns de nós”, defendeu Bolsonaro.

No discurso, o mandatário ainda disse que fez “a coisa certa desde o primeiro momento” e voltou a defender o kit Covid, medicamentos comprovadamente ineficazes no tratamento da Covid-19.

Bolsonaro vem criticando a CPI da Covid-19 desde a instalação, há cerca de seis meses. Esta foi a primeira vez que ele comentou o relatório final apresentado.

Entre os delitos sugeridos por Renan Calheiros para o indiciamento de Bolsonaro estão infrações de medidas sanitárias preventivas, charlatanismo, incitação ao crime, falsificação de documento particular, emprego irregular de verbas públicas, prevaricação, crimes contra a humanidade nas modalidades extermínio, perseguição e outros atos desumanos, violação de direito social e incompatibilidade com dignidade, honra e decoro do cargo.

No parecer, que será votado na próxima semana pela CPI, constam ainda os pedidos de indiciamento dos ex-ministros Eduardo Pazuello (Saúde) e Ernesto Araújo (Relações Exteriores). Há também outros parlamentares, empresários, lobistas, médicos, pesquisadores e influenciadores bolsonaristas.

Jornada das Águas

As declarações de Bolsonaro foram feitas durante o terceiro dia da Jornada das Águas, em Russas, no Ceará. O evento é uma iniciativa do Ministério do Desenvolvimento Regional que percorrerá 10 estados do Brasil por 10 dias, com entrega de obras e anúncios relacionados à melhoria do abastecimento de água no sertão do país.

A inauguração da última obra de grande porte do Eixo Norte da Transposição do Rio São Francisco está prevista para esta quinta-feira (21/10). O ministro de Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, pontuou que a transposição começou no início dos anos 2000.

“Nós estamos em 2021. Nesse período, o valor da obra aumentou quase quatro vezes, as denúncias de superfaturamento, corrupção e mau uso do recurso público se acumularam”, criticou.

Nesta quarta-feira, o presidente e o ministro Rogério Marinho lançaram o edital para construção do Ramal do Salgado – canal acessório ao Eixo Norte da Transposição do Rio São Francisco –, que deve beneficiar 4,7 milhões de pessoas em 54 cidades do Ceará.

A infraestrutura do Ramal do Salgado terá 34,3 quilômetros de extensão e será responsável pelo transporte de água do Ramal do Apodi, na Paraíba, até o leito do Rio Salgado. O projeto, orçado em R$ 600 milhões, tem, por exemplo, uma estrutura de controle, 13 segmentos de canal, três aquedutos, um sifão e um túnel.

Mais lidas
Últimas notícias