Bolsonaro sobre Trump: “Presidentes têm informações privilegiadas”

FBI fez operação na residência do ex-presidente norte-americano, na última segunda-feira em busca de documentos confidenciais

atualizado 13/08/2022 12:34

Bolsonaro cumprimenta Trump durante jantarAlan Santos/PR

O presidente Jair Bolsonaro (PL) disse, neste sábado (13/8), que apesar de ter liberdade para conversar com o ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump, não o fez após agentes do FBI — a polícia federal norte-americana — fazerem buscas na residência do ex-mandatário, o resort Mar-A-Lago, na Flórida. A operação ocorreu na última segunda-feira (8/8). O FBI buscava documentos confidenciais relacionados a armas nucleares e outros itens.

“Eu tenho liberdade de conversar com Trump, mas não liguei para ele. Foi uma busca e apreensão, essa? Foram buscar papeis lá, secretos, sigilosos, que teriam sido guardados com ele”, disse Bolsonaro, em entrevista ao canal no YouTube Cara a Tapa, com Rica Perrone.

“Agora, um presidente, você não precisa de papéis, eu tenho informações privilegiadas, vão fazer o quê? Vão me prender agora?”, prosseguiu ele.

Publicidade do parceiro Metrópoles 1
0

Trump entrou na mira das autoridades federais dos EUA após comissão no Congresso do país, uma espécie de CPI, encontrar indícios de participação do ex-presidente na tentativa de insurreição em 6 de janeiro do ano passado, quando o prédio do Capitólio foi invadido por militantes insatisfeitos com o resultado da eleição vencida por Joe Biden. A invasão não teve sucesso em impedir a confirmação da vitória do atual presidente, mas fragilizou a democracia nos EUA e acabou com cinco mortos.

Operação do FBI

A operação do FBI desta semana estava relacionada a uma investigação sobre o manuseio dos registros do Arquivo Nacional. As autoridades dizem que Trump rasgou muitos documentos. Os presidentes americanos são obrigados por lei a transferir todas as suas cartas, os documentos de trabalho e os e-mails para os Arquivos Nacionais.

Mais lidas
Últimas notícias