Bolsonaro celebra produção extra de cloroquina por Forças Armadas

Sem embasamento científico que comprove eficácia do medicamento no combate ao coronavírus, o presidente da República defendeu o uso da droga

atualizado 30/03/2020 20:04

Michael Melo/Metrópoles

O presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), usou o Twitter, nesta segunda-feira (30/03), para anunciar a ampliação da produção de álcool em gel e hidroxicloroquina nos laboratórios das Forças Armadas durante a pandemia do coronavírus.

Segundo Bolsonaro, as ações dos laboratórios da Marinha do Brasil, do Exército Brasileiro e da Força Aérea, todos localizados no Rio de Janeiro, produzirão dois lotes por semana, cerca de 500 mil comprimidos. A droga tem sido testada no tratamento da Covid-19.

Com registro do medicamento, o laboratório do Exército produz a medicação, ao passo que as outras equipes são responsáveis pela embalagem e pela rotulagem. A coronel médica do Exército Carla Clausi enfatizou, contudo, que o medicamento não deve ser adquirido sem indicação médica.

“Muitas pessoas estão adquirindo esse remédio e está faltando para quem realmente precisa. Neste atual cenário em que o Brasil se encontra, a sociedade precisa estar atenta para que esse remédio não seja consumido sem indicação”, orientou.

No domingo (29/03), o presidente da República voltou a defender o uso da hidroxicloroquina em pacientes do grupo de risco que tenham sido infectados pelo coronavírus. A medicação, contudo, ainda não tem embasamento científico de que funciona como tratamento.

“A gripe (a Covid-19), para as pessoas do grupo de risco, ela pode ser grave, mas está aí a hidroxicloroquina. Tem estudos já da França, chegou para mim agora. Aqui no Brasil, está sendo aplicada em vários hospitais”, disse. E completou: “Graças a Deus, Deus é brasileiro, a cura tá aí”.

Últimas notícias