Apesar de convocação, Onyx desmarca ida à CCJ da Câmara nesta semana

O ministro da Casa Civil avisou ao presidente da comissão, Felipe Francischini, que não se encontrará com o colegiado nesta quarta-feira

Foto: Rafaela Felicciano/Metrópoles

atualizado 11/06/2019 11:18

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, comunicou ao presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara dos Deputados, Felipe Francischini (PSL-PR), que não irá comparecer à sessão de quarta-feira (12/06/2019), a qual havia sido convocado pelo colegiado no último 28 de maio.

Em documento enviado ao parlamentar, Lorenzoni alega que tinha compromisso com o presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL). agendado para a mesma data.

Onyx pontuou que a marcação de agenda na Casa Civil, assim como na Presidência, tem de ser feita com ao menos 15 dias de antecedência. Como teria sido notificado pela convocação apenas no último 7 de junho, o comparecimento à CCJ nesta quarta seria antecedido de apenas cinco dias.

Veja o ofício completo abaixo:

No documento, o ministro disse ainda que tinha três datas disponíveis para ir à comissão: 25, 26 ou 17 deste mês. Onyx foi convocado pelos membros da comissão para prestar esclarecimentos sobre o decreto do Executivo que ampliou a posse e o porte de armas no país, por meio do Decreto nº 9.875/19.

O recuo de Onyx ocorre um dia depois de vazar uma série de mensagens entre integrantes da Lava Jato, na qual há uma suposta ingerência do ex-juiz Sergio Moro e atual ministro da Justiça de Jair Bolsonaro sobre a atuação dos procuradores na operação.

Nesta tarde, parlamentares da oposição anunciaram obstrução de todas as pautas do governo no Congresso até que haja avanço nas investigações e afirmaram que procurarão alguns líderes do Centrão para aumentar a mobilização contra o governo.

Últimas notícias