Weintraub vê sabotagem em sites do MEC e aciona PF

Há instabilidade nas plataformas do Prouni, Fies e no sistema de presença que é usado para o pagamento do Bolsa Família

Andre Borges/Especial para o MetrópolesAndre Borges/Especial para o Metrópoles

atualizado 08/08/2019 12:05

O ministro da Educação, Abraham Weintraub, disse nesta quinta-feira (08/08/2019) que há suspeitas de que esteja havendo sabotagem nos serviços on-line da pasta. A Polícia Federal foi acionada para investigar se há indícios de crimes.

“A população não será prejudicada. Qualquer serviço que fique fora do ar, estenderemos o prazo. Temos indícios e a polícia irá ver se isso caracteriza ou não sabotagem”, destacou Weintraub em coletiva de imprensa convocada de última hora na manhã desta quinta-feira (08/08/2019).

Segundo o diretor de tecnologia da informação do Ministério da Educação (MEC), Daniel Miranda Pontes, as plataformas do Prouni, do Fies e no sistema de presença que é usado para o pagamento do Bolsa Família estão instáveis. Os sistemas, que funcionam sobretudo pela internet, estariam sofrendo influências externas, que poderia prejudicar eventuais interessados em participar dos programas, razão pela qual o MEC teria chamado a Polícia Federal para averiguar.

“Há algumas semanas estamos sofrendo com a indisponibilidade dos serviços. As equipes estão trabalhando para restabelecer os serviços”, explicou.

Não há prazo, entretanto, para a volta completa dos serviços. “Coletamos alguns materiais que são indícios de sabotagem”, completou Pontes.

O ministério não detalhou o que está havendo nos sistemas. Cogita-se, por exemplo, ataques externos aos programas, dos chamados “hackers”. Um sistema interno da pasta também foi comprometido.

Antonio Paulo Vogel de Medeiros, secretário-executivo do MEC, reforçou que qualquer prazo para inscrição de programas que tiverem problemas será estendido. “Ninguém será prejudicado”, explicou.

O MEC não divulgou novas datas para o término das matrículas no Prouni e Fies, por exemplo.

Últimas notícias