Câmara aprova pedido para que Gleen Greenwald preste esclarecimentos

Fundador do site The Intercept Brasil foi convidado a esclarecer denúncias envolvendo ex-juiz Sergio Moro e procuradores da Lava Jato

Reprodução/FacebookReprodução/Facebook

atualizado 18/06/2019 12:54

A Câmara dos Deputados aprovou, nesta terça-feira (18/06/2019), o requerimento para que o jornalista Glenn Greenwald seja convidado para esclarecer as denúncias envolvendo juízes e procuradores no âmbito da força-tarefa da Lava Jato. O editor do site “The Intercept Brasil” deverá ter sua visita à Comissão de Direitos Humanos e Minorias definida nos próximos dias, revelando mais detalhes sobre as mensagens envolvendo o atual ministro da Justiça, Sergio Moro.

Durante a apreciação do pedido, deputados do PSL chegaram a definir Glenn Greenwald como “persona non grata”, e questionar sua atuação e a validade do diploma do jornalista no país. Vencedor de um prêmio Pulitzer, Greenwald tem exposto, ao longo da última semana, uma série de mensagens que revelam uma suposta interferência de Moro no julgamento do ex-presidente Lula e que podem alterar os rumos políticos do país.

Apresentado pelos deputados Márcio Jerry (PCdoB-MA), Camilo Capiberibe (PSB-AP), Carlos Veras (PT-PE), Túlio Gadelha (PDT-PE) e Helder Salomão (PT-ES), o requerimento nº 80/19 citou a necessidade de “dirimir dúvidas sobre a veracidade das denúncias e o conteúdo do material coletado pelo jornalista” como justificativa. No texto, parlamentares signatários ainda apontam a “grave violação dos princípios do devido processo legal sem qualquer tipo de distinção, evidenciando a atuação parcial e política de um poder que deveria ser neutro”.

Signatário do pedido, Márcio Jerry (PCdoB-MA) lembrou que, diante das ameaças relatadas por David Miranda (PSol-RJ), marido de Glenn, a Comissão tem a missão institucional de apurar a origem das intimidações e que não há qualquer obstrução da legislação diante dos fatos apresentados pelo jornalista. “Não há configuração de crime porque as revelações vêm sendo feitas no exercício da liberdade de imprensa”, defendeu.

Jerry, que também foi autor de dois requerimentos para convocação de Sergio Moro ainda apontou que esta representa uma chance para que o ministro se explique ao Congresso. “É muito importante que o ministro tenha todo o direito e o exerça, de se defender, de esclarecer ao país por aquilo que ele está sendo gravemente acusado. Há suspeita de que o ministro tenha, no exercício do Judiciário, primeiro ignorado a Constituição brasileira, portanto, traído, os marcos legais do Brasil, e traído a própria missão do Judiciário”, criticou.

No último dia 12, deputados do PSL apresentaram requerimento para convocar o editor do portal, mas o pedido foi retirado de pauta, em uma articulação política de última hora, após os autores do convite receberem o apoio de deputados da oposição.

Senado Federal
Nessa terça-feira (17/06/2019), o Conselho de Comunicação Social (CCS) do Senado aprovou um convite para que o jornalista do site The Intercept compareça em uma audiência, no dia 1º de julho, para explicar as mensagens vazadas.

Além de Greenwald, o conselho convidou Claudio Dantas, do site O Antagonista; Daniel Bramatti, da Associação Brasileira de Jornalismo (Abraji); Maria José Braga, da Federação Nacional dos Jornalistas (Fenaj); e Carlos Ayres Britto, ex-ministro do Supremo Tribunal Federal (STF).

Últimas notícias