Bolsonaro decide manter Álvaro Antônio como ministro do Turismo

Porta-voz Otávio do Rêgo Barros diz que o presidente vai aguardar investigações da Polícia Federal para tomar a decisão que for necessária

VALTER CAMPANATO/AGÊNCIA BRASILVALTER CAMPANATO/AGÊNCIA BRASIL

atualizado 01/07/2019 20:19

O presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), decidiu manter no cargo, pelo menos por ora, o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio (PSL-MG). A informação foi dada no início da noite desta segunda-feira (01/07/2019) pelo porta-voz da Presidência da República, Otávio do Rêgo Barros, em seu briefing para a imprensa.

“O presidente aguarda as investigações da Polícia Federal para, após analisá-las, tomar as decisões que sejam necessárias”, disse Rêgo Barros, assegurando, ainda, que Bolsonaro “não teve em nenhum momento a intenção de tirá-lo [o ministro] do cargo”. O porta-voz adiantou que o presidente vai se encontrar com o ministro nesta quarta ou na quinta-feira.

Dessa forma, Marcelo Álvaro Antônio ganha sobrevida na Esplanada dos Ministérios. Mesmo que sua situação como ministro tenha ficado mais delicada na última semana, após investigações da Polícia Federal sobre um suposto esquema de candidaturas laranjas do PSL em Minas Gerais levarem à prisão assessores do ministro.

Perguntado também sobre uma possível demissão do ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, o porta-voz disse que o presidente não estuda essa possibilidade e que não há nenhuma outra mudança em vista na atual gestão.

Entenda
Durante as Eleições 2018, Álvaro Antônio, reeleito deputado federal por Minas Gerais, teria patrocinado um esquema de candidaturas de fachada no estado, que direcionou verbas públicas de campanha para empresas ligadas ao gabinete dele na Câmara.

A PF investiga a participação do atual ministro do Turismo na fraude e já apreendeu documentos em endereços ligados ao PSL-MG. O uso de candidaturas laranjas para desviar recursos do Fundo Eleitoral dentro do PSL também culminou com a queda do ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, que comandou o partido em 2018.

Prisões
Na semana passada, a Polícia Federal prendeu Mateus Von Rondon, assessor especial do ministro, apontado como o elo do PSL com as empresas. Em Minas, a Polícia Federal também prendeu Roberto Silva Soares. Robertinho, como é conhecido, foi preso em Ipatinga, Região Leste de Minas Gerais.

Outro investigado preso é Haissander Souza de Paula, ex-assessor do ministro na Câmara Federal. Segundo a decisão do juiz da 26ª Vara Eleitoral, Renan Chaves Carreira Machado, ele foi citado em depoimento por Clauzenir Barbosa Pereira, que concorreu pelo PSL a deputada estadual em Minas Gerais, recebeu 2 mil votos, e não foi eleita.

Nesta segunda, o juiz Renan Chaves Machado, da 26ª Zona Eleitoral de Minas Gerais, determinou a soltura dos três auxiliares do ministro do Turismo.

Últimas notícias