Assessor de Álvaro Antônio tem pedido de revogação da prisão negado

Mateus Von Rondon foi preso na última quinta-feira (27/06/2019) por suspeita de participar em esquema de candidaturas laranjas no PSL de MG

Arquivo Pessoal

atualizado 29/06/2019 11:43

O juiz Renan Carreira Machado, da 26ª Zona Eleitoral em Belo Horizonte, negou o pedido de revogação da prisão temporária do assessor especial e de dois ex-assessores do ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio. Os três foram detidos nessa quinta-feira (27/06/2019) em decorrência da Operação Sufrágio Ostentação II, que investiga o uso de candidaturas laranjas no PSL em Minas Gerais. As informações são do G1.

O assessor especial Mateus Von Rondon foi preso em casa, na capital federal, às margens do Lago Paranoá. Ele é considerado o braço direito do ministro do Turismo do governo de Jair Bolsonaro (PSL).

Além de Von Rondon, Roberto Silva Soares e Haissander Souza de Paula foram detidos em Minas Gerais. Robertinho, como é conhecido, foi coordenador de campanha de Álvaro Antônio e hoje é primeiro-secretário do Diretório do PSL em Minas Gerais.

A empresa gráfica de Von Rondon foi indicada na prestação de contas de quatro candidatas nas últimas eleições. No entanto, a PF encontrou somente material de campanha de homens na casa dele.

Laranjas
Durante as Eleições 2018, Álvaro Antônio, reeleito deputado federal de Minas Gerais, teria patrocinado um esquema de candidaturas de fachada no estado, que direcionou verbas públicas de campanha para empresas ligadas ao gabinete dele na Câmara.

A PF investiga a participação do atual ministro do Turismo na fraude e apreendeu documentos em endereços ligados ao PSL-MG. O uso de candidaturas laranjas para desviar recursos do Fundo Eleitoral dentro do PSL já culminou com a queda de ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, que comandou o partido em 2018.

Últimas notícias