Pedido para uso da Coronavac será feito nas próximas 48h, diz secretário

Jean Gorinchteyn afirmou que os dados de eficácia da vacina devem ser apresentados até quinta-feira

atualizado 04/01/2021 15:30

Vacina CoronavacFábio Vieira/Metrópoles

O secretário de Saúde de São Paulo, Jean Gorinchteyn, afirmou nesta segunda-feira (4/1) que os pedidos de registro da vacina Coronavac serão feitos à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) nas próximas 48 horas.

O Instituto Butantan, que desenvolve o imunizante contra a Covid-19 em parceria com a chinesa Sinovac, ainda não apresentou os dados de eficácia da fase final da pesquisa. Esses resultados são essenciais para o parecer da Anvisa.

Segundo o secretário, eles serão divulgados até quinta-feira (7/1). O estado de São Paulo vai fazer a solicitação tanto de uso emergencial como de uso definitivo do imunizante.

“E dessa forma existem questões burocráticas, de documentos, que estão sendo juntados para serem enviados nos próximos dias para a Anvisa. Nesta semana serão enviados, possivelmente hoje ou amanhã”, disse o secretário, em entrevista à Rádio Bandnews.

Segundo ele, a entrega vai depender do próprio Instituto Butantan ter toda documentação já estabelecida. “Mas muito possivelmente entre hoje e amanhã teremos envio da documentação, fazendo solicitação do ponto de vista emergencial e definitivo.”

De acordo com o Butantan, a Coronavac apresentou, na terceira fase de testes, eficácia acima dos níveis exigidos pela agência brasileira e pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

0

A Anvisa considera o mínimo de 50% de eficiência para que um imunizante contra o novo coronavírus seja autorizado para uso em território brasileiro.

A previsão inicial era de que esses dados tivessem sido divulgados em meados de dezembro, o que não ocorreu. De acordo com o instituto, o adiamento, anunciado em 23 de dezembro, ocorreu porque a Sinovac resolveu unificar os dados dos testes feitos no Brasil, na Indonésia e Turquia, o que pode levar 15 dias. A consolidação e a análise de dados são critérios exigidos pela agência de regulação de medicamentos da China.

Últimas notícias