metropoles.com

No governo Bolsonaro, pastores foram 127 vezes ao FNDE e ao MEC

O principal destino dos religiosos Arilton Moura e Gilmar Santos foi a sede do Ministério da Educação, em Brasília

atualizado

Compartilhar notícia

Rafaela Felicciano/ Metrópoles
Jair Bolsonaro e Milton Ribeiro se cumprimentam com um aperto de mãos. Os dois usam terno e sorriem
1 de 1 Jair Bolsonaro e Milton Ribeiro se cumprimentam com um aperto de mãos. Os dois usam terno e sorriem - Foto: Rafaela Felicciano/ Metrópoles

Durante o governo Jair Bolsonaro (PL), os pastores evangélicos Gilmar Santos e Arilton Moura, principais nomes associados ao caso do balcão de negócios no Ministério da Educação (MEC), estiveram 127 vezes no Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) e no MEC.

Os números foram obtidos pelo jornal Folha de S. Paulo por meio da Lei de Acesso à Informação (LAI). Santos e Moura também visitaram o Palácio do Planalto 35 vezes desde 2019.

De acordo com o levantamento, o principal destino dos religiosos foi a sede do MEC em Brasília. Ao todo, Moura esteve 90 vezes no local, o que equivale a uma vez por semana, se for considerado todo o período em que Milton Ribeiro ocupou o cargo. Santos (que é chefe de Moura) visitou a pasta 13 vezes.

No entanto, na agenda oficial do ministério constam somente 34 reuniões – de setembro de 2020 a 16 de fevereiro deste ano – de ao menos um dos religiosos.

Santos esteve três vezes no FNDE, e Arilton, 21. O fundo é associado ao MEC e encarregado de realizar transferências de recursos federais da educação para prefeituras.

Mesmo sem cadeiras no governo, os pastores negociavam com prefeitos o envio de dinheiro do FNDE para obras em seus municípios. Ambos estão no centro do escândalo do balcão de negócios do MEC. O episódio levou o ex-ministro Milton Ribeiro a pedir demissão.

Bolsonaro investigado

Advocacia-Geral da União (AGU) pediu ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) que arquive pedido do Partido dos Trabalhadores (PT) para que o presidente Jair Bolsonaro (PL) seja investigado pelo suposto favorecimento de pastores na distribuição de verbas do Ministério da Educação.

Segundo a AGU, houve apenas uma “menção indevida” ao presidente Bolsonaro em áudio de Ribeiro, e não há elementos que justifiquem a abertura de investigação na Corte Eleitoral.

Em março, o jornal Folha de S.Paulo revelou um áudio atribuído ao então ministro da Educação, Milton Ribeiro, na qual ele diz que a intermediação por meio dos pastores atendia a um pedido de Bolsonaro. O governo nega. O episódio fez com que Ribeiro deixasse o cargo.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações