Naja resgatada em Brasília está em novo clipe de “Bum Bum Tam Tam”, hit da Coronavac

Serpente exótica foi apreendida após picar um morador do Guará. Estudante de veterinária chegou a ser preso por tráfico de animais

atualizado 23/01/2021 22:01

Apreendida em Brasília, a cobra Naja kaouthia é uma das estrelas do novo clipe do hit “Bum Bum Tam Tam”, do MC Fioti, lançado neste sábado (23/1). O vídeo do hino extraoficial da Coranavac foi gravado dentro do Instituto Butantan, que acolheu a serpente em agosto de 2020.

A música voltou às paradas depois que o instituto, responsável pela produção do imunizante, anunciou a eficácia do composto. O cantor esteve no Butantan para ajudar a divulgar a vacina, que encontra resistência em alguns grupos por ser desenvolvida em parceria com o laboratório chinês Sinovac.

No novo clipe, Fioti dança ao lado dos funcionários da instituição e de cobras em exposição no Museu Biológico do Butantan, entre as quais a naja resgatada no Distrito Federal.

Confira no a partir de 1’31”:

O Instituto Butantan acolheu a serpente, considerada uma das mais venenosas do mundo, e ajudou a salvar a vida de Pedro Henrique Santos Krambeck Lehmkul após ele ser picado. As únicas doses disponíveis no país estavam no Instituto Butantan. Os médicos enviaram ao DF todo o estoque.

Com a apreensão da naja, as autoridades policiais começaram a investigar uma rede internacional de tráfico de animais, principalmente, de serpentes.

De acordo com a Polícia Civil do DF, Pedro criava a cobra em casa ilegalmente e tinha, pelo menos, 18 serpentes. Ele foi preso em 29 de julho, por suspeita de tentar atrapalhar as investigações. Dois dias depois, no entanto, foi solto após conseguir um habeas corpus.

0

No último dia 5, o Butantan publicou um vídeo sobre a adaptação da naja ao instituto. “Não foi fácil. Deu muito trabalho no início, mas a gente foi aprendendo a lidar com ela”, conta o diretor do Museu Biológico, Giuseppe Puorto.

A gravação mostra as novas instalações da serpente. “Ela só veio aqui para exposição em dezembro. E por que tanto tempo? Porque esse bicho estava extremamente agitado. A gente estava aguardando que ele ficasse um pouco mas calmo. Mas, na verdade, ele não está muito calmo não”, explica Puorto. A naja de Brasília poderá ser visitada assim que o museu reabrir.

Veja:

Últimas notícias