MP pede provas a Damares sobre tráfico de crianças no Marajó (PA)

Instituição ressaltou não haver pedidos de investigação registrados junto ao Ministério Público sobre casos mencionados pela ex-ministra

atualizado 13/10/2022 9:00

Damares Alves - Metrópoles Rafaela Felicciano/Metrópoles

O Ministério Público do Pará (MPPA) pediu, por meio de ofício enviado nessa terça-feira (11/10), que a ex-ministra Damares Alves (Republicanos) preste informações sobre as acusações de tráfico infantil e crimes sexuais na Ilha de Marajó, no norte do estado, denunciados pela senadora eleita.

Em vídeo divulgado no último fim de semana, a ex-chefe do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos afirmou que o presidente Jair Bolsonaro (PL) ordenou ações para o resgate de crianças que teriam sido traficadas para fins sexuais na Ilha de Marajó.

“Fomos para a Ilha do Marajó e, lá, descobrimos que nossas crianças estavam sendo traficadas. Nós descobrimos que essas crianças comem comida pastosa para o intestino ficar livre para a hora do sexo anal. Bolsonaro disse: ‘Nós vamos atrás de todas elas’. E o inferno se levantou contra esse homem”, disse Damares.

No ofício enviado à ex-ministra, o MPPA pede que ela envie, em até cinco dias, documentos que confirmem a existência de uma suposta rede de crimes sexuais na região. A instituição destacou que ainda não há pedidos de apuração registrados sobre o caso relatado por Damares.

“O Ministério Público do Estado do Pará ressalta que, até o presente momento, nenhum dos fatos relatados pela ex-ministra Damares Alves foi encaminhado formalmente aos promotores de Justiça que atuam na região do Marajó”, consta no ofício.

Em nota divulgada na página oficial da instituição, o MPPA mencionou a atuação do Ministério Público no combate a crimes sexuais e outras violações de direitos humanos na região.

“Destaca-se que o Mistério Público tem adotado tanto medidas para fortalecimento da rede de proteção quanto ações para efetiva responsabilização dos autores, sendo o enfrentamento à violência sexual diretriz prioritária de atuação, inserida no Plano Setorial para Infância e Juventude do MPPA”, salientou o texto.

Leia o ofício na íntegra:

Oficio Ministra 4-1 by Rebeca Borges on Scribd

Polícia Civil

Em nota, a Polícia Civil do Pará também informou que “não há registro referente aos modos de atuação descritos pela ex-ministra”. O órgão também encaminhou ofício ao Ministério da Mulher, Família e Direitos Humanos solicitando “documentos e mídias” citados por Damares para subsidiar “de forma urgente investigação sobre os fatos relatados”.

“A PC esclarece ainda que são realizados atendimentos e investigações de forma incessante na região por meio de Delegacias Especializadas, tanto no Marajó Ocidental, quanto no Marajó Oriental, cobrindo assim todo o arquipélago, além de tratativas junto com o Ministério Público e a sociedade civil organizada para atender, de forma efetiva, as demandas pertinentes a proteção de crianças e adolescentes da região do Marajó”, informou a corporação.

Mais lidas
Últimas notícias