metropoles.com

Após vídeo polêmico, Damares quer propor CPI sobre tráfico de crianças

Ex-ministra que denunciou supostos casos na Ilha do Marajó (PA) pretende levar ocorrências para investigação pelo Legislativo federal

atualizado

Compartilhar notícia

Igo Estrela/Metrópoles
Close de Damares Alves no estúdio do Metrópoles
1 de 1 Close de Damares Alves no estúdio do Metrópoles - Foto: Igo Estrela/Metrópoles

Os senadores eleitos Damares Alves (Republicanos-DF) e Magno Malta (PL-ES) vão propor a instauração de comissão parlamentar de inquérito (CPI) mista para investigar o tráfico e o desaparecimento de crianças nas fronteiras do Brasil. Na manhã desta terça-feira (11/10), Damares confirmou à coluna Grande Angular que tomará a iniciativa junto ao futuro colega de Casa.

O anúncio ocorre após integrantes do Ministério Público Federal (MPF) no Pará enviarem ofício ao Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos (MMFDH), na segunda-feira (10/10), para cobrar informações sobre os supostos casos de abuso sexual contra crianças revelados pela ex-titular da pasta.

A coluna apurou que as deputadas Silvia Waiãpi (PL), do Amapá; Antônia Lúcia Câmara (Republicanos), do Acre; e o senador Alan Rick (União Brasil-AC) manifestaram interesse em integrar a CPI.

Em discurso no sábado (8/10), em Goiânia, a ex-ministra afirmou que, “abrindo as gavetas do ministério” que chefiava, o MMFDH descobriu casos de abuso sexual e tráfico de crianças na Ilha do Marajó (PA).

Um ofício do Ministério Público Federal endereçado à secretária-executiva da pasta, Tatiana Barbosa de Alvarenga, exige que todos os detalhes descobertos pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos sejam encaminhados ao MPF “para que sejam tomadas as providências cabíveis”.

Além disso, o documento exige que o MMFDH “informe quais providências tomou ao descobrir os casos e se houve representação [denúncia] ao Ministério Público ou à polícia”.

Acompanhamento

Em nota, o MMFDH informou que as afirmações prestadas pela ex-ministra têm base em “numerosos inquéritos já instaurados, que dão conta de uma série de fatos gravíssimos praticados contra crianças e adolescentes”.

Em relação ao caso de Marajó, houve a criação do programa Abrace o Marajó, “como resposta à vulnerabilidade social, econômica e ambiental que caracteriza uma porção expressiva da Amazônia brasileira”.

Confira a nota do MMFDH:

“Desde 2020, cerca de R$ 950 milhões foram investidos em iniciativas para o desenvolvimento econômico e social do arquipélago. Marcado pela transversalidade das iniciativas, o programa conta com parceiros que vão desde os ministérios da Saúde e Cidadania até pastas como Educação, Minas e Energia, Comunicações, entre outros.

Esta pasta tem total ciência da gravidade do problema e age diuturnamente para combater essa e outras práticas criminosas. Como exemplo, no início deste mês o MMFDH lançou a campanha ‘Enfrentamento às violações de Direitos Humanos: prevenção à violência sexual contra crianças e adolescentes na internet’, para alertar pais e responsáveis sobre os sérios perigos a que os pequenos estão expostos diariamente na rede mundial de computadores. As peças estão sendo veiculadas em canais de TV, em salas de cinema e nas redes sociais do Ministério.

[…]

As denúncias recebidas pela ONDH [Ouvidoria Nacional dos Direitos Humanos] são encaminhadas aos órgãos competentes e, posteriormente, monitoradas, para assegurar o bom andamento das demandas. Os dados coletados auxiliam, entre outras ações, nas operações integradas, a exemplo da Parador 27 — contra a exploração sexual de crianças e adolescentes.”

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?