Mourão diz que não existe racismo no Brasil após morte de negro no Carrefour

Vice lamentou caso, mas disse que "querem importar racismo para o Brasil". João Alberto Silveira Freitas foi espancado por 2 homens brancos

atualizado 20/11/2020 18:01

O vice-presidente Hamilton MourãoHugo Barreto/Metrópoles

O vice-presidente da República, Hamilton Mourão, lamentou, nesta sexta-feira (20/11), a morte de João Alberto Silveira Freitas, negro, de 40 anos, espancado e morto por dois homens brancos, em um supermercado da rede Carrefour. Mourão, no entanto, afirmou que “não existe” racismo no Brasil.

“Lamentável, né. Lamentável isso aí, isso é lamentável. A princípio, é segurança totalmente despreparada para atividade que ele tem que fazer. […] Para mim, no Brasil, não existe racismo. Isso é uma coisa que querem importar aqui para o Brasil. Isso não existe aqui”, disse o vice-presidente a jornalistas, no Palácio do Planalto.

Após a declaração, Mourão foi novamente questionado sobre achar que não existe racismo no país, ao que respondeu: “Não. Eu digo para você com toda a tranquilidade. Não tem racismo aqui”.

Mais uma vez, a imprensa questionou o vice-presidente sobre se o episódio não teria um componente racial.

“Eu digo para vocês o seguinte, porque eu morei nos EUA: racismo tem lá. Eu morei dois anos nos EUA, na minha escola que eu morei lá, o pessoal de cor ele andava separado, que eu nunca tinha visto isso aqui no Brasil. Saí do Brasil, fui morar lá, era adolescente e fiquei impressionado com isso aí. Isso no final da década 60”, relatou.

“Mais ainda, o pessoal de cor sentava atrás do ônibus, não sentava na frente do ônibus. Isso é racismo, aqui não existe isso. Aqui você pode pegar e dizer é o seguinte: existe desigualdade. Isso é uma coisa que existe no nosso país”, continuou.

O caso

João Alberto Silveira Freitas, de 40 anos, foi brutalmente assassinado na noite de quinta-feira (19/11), na véspera do Dia da Consciência Negra.

Ele fazia compras com a esposa quando teria feito um gesto para uma fiscal de caixa. Ela chamou a segurança e ele foi levado para o estacionamento do supermercado, onde começaram as agressões. João foi espancado em uma unidade do supermercado Carrefour. As imagens da violência foram gravadas e circulam nas redes sociais.

Os suspeitos, homens brancos, um de 24 anos e outro de 30 anos, foram presos em flagrante. Um deles é o policial militar Giovani Gaspar da Silva e, o outro é o segurança da loja Magno Braz Borges. O crime é tratado como homicídio qualificado.

0

Últimas notícias