Salles ironiza ajuda financeira de Biden para a Amazônia: “Por ano?”

Apesar de questionar a proposta do candidato democrata a presidente dos EUA, ministro usou apenas 0,4% do orçamento em política ambiental

atualizado 30/09/2020 10:41

Andre Borges/Esp. Metrópoles

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, ironizou, nesta quarta-feira (30/9), proposta do candidato democrata a presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, sobre a ajuda de US$ 20 bilhões (cerca de R$ 113 bilhões) para a Amazônia.

“Só uma pergunta: a ajuda dos US$ 20 bilhões do Biden é por ano?”, perguntou Ricardo Salles, em uma rede social, nesta manhã. Mais cedo, o ministro do Meio Ambiente afirmou que o valor apresentado por Biden é 40 vezes maior que o montante destinado ao Fundo Amazônia.

0

O Fundo Amazônia tem por finalidade captar doações para investimentos não reembolsáveis em ações de prevenção, monitoramento e combate ao desmatamento na Amazônia Legal. A Noruega, maior doador, já transferiu R$ 3,1 bilhões para o mecanismo e a Alemanha, R$ 192 milhões.

No entanto, o ministro Ricardo Salles foi retirado da presidência do comitê orientador do Fundo Amazônia em maio deste ano pelo vice-presidente da República, general Hamilton Mourão (PRTB). O colegiado havia sido extinto em abril do ano passado e o fundo ficou paralisado.

Levantamento feito pelo Observatório do Clima apontou que o Ministério do Meio Ambiente gastou apenas R$ 105,4 mil nas ações orçamentárias diretas até 31 de agosto. O valor liquidado em oito meses equivale a 0,4% do orçamento autorizado para este ano.

US$ 20 bilhões

Durante debate com o presidente dos EUA, Donald Trump, candidato pelo partido Republicano à reeleição, Joe Biden afirmou que a floresta Amazônica está sendo destruída, arrancada, no Brasil. Os US$ 20 bilhões citados por ele seriam levantados junto a outros países.

“Eu tentarei fazer com que os países ao redor do mundo levantem US$ 20 bilhões e digam [ao Brasil]: ‘Aqui estão US$ 20 bilhões, pare de devastar a floresta. Se você não parar, vai enfrentar consequências econômicas significativas'”, disse o candidato democrata.

Últimas notícias