Macron: G7 enviará 20 milhões de euros para combate a queimadas

Grupo também vai dar auxílio para reflorestamento. Em contrapartida, governo brasileiro terá que trabalhar com ONGs

Isac Nóbrega/PRIsac Nóbrega/PR

atualizado 26/08/2019 14:43

O presidente da França, Emmanuel Macron, afirmou que os líderes do G7 vão providenciar 20 milhões de euros (cerca de R$ 91 milhões) de ajuda emergencial para combater os incêndios na Amazônia, informa a agência Reuters. A maior parte desse dinheiro será destinada ao envio de aviões Canadair, com foco em combate a incêndios.

O G7 concordou ainda em oferecer uma assistência de médio prazo para o reflorestamento da Amazônia, a ser apresentado na Assembleia Geral da ONU no final de setembro. Uma das exigências, segundo o governo francês, é de que o Brasil terá que concordar em trabalhar com ONGs e populações locais.

Na semana passada, o presidente Jair Bolsonaro (PSL) insinuou que ONGs seriam as responsáveis pelas queimadas na Amazônia, em reação à perda dos recursos do governo federal. Esses incêndios teriam o objetivo de atingi-lo, de acordo com o chefe do Executivo.

As queimadas haviam sido citadas pelos líderes reunidos em Biarritz, na França, nesse domingo (25/08/2019). A cúpula das sete grandes economias mundiais termina nesta segunda-feira (26/08/2019). O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, não participou das discussões sobre mudanças climáticas e biodiversidade.

Segundo Macron, o norte-americano estava em encontros bilaterias. “Ele [Donald Trump] não estava na sala, mas o time dele, sim. Não se deve interpretar a ausência do presidente americano… Os EUA estão do nosso lado nos temas de biodiversidade e na iniciativa da Amazônia”, afirmou o presidente da França Emmanuel Macron.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou na última sexta-feira (23/08/2019) que falou com o presidente da República, Jair Bolsonaro (PSL), para oferecer ajuda no combate aos incêndios na Amazônia.

“Eu disse a ele que se os Estados Unidos puderem ajudar com os incêndios na Floresta Amazônica, estamos prontos para ajudar”, escreveu, no Twitter.

norte-americano disse que as perspectivas comerciais futuras entre os países são “muito empolgantes” e a relação entre os mandatários está “mais forte do que nunca”.

Últimas notícias