Manifestantes fazem ato em Brasília contra a reforma administrativa

O presidente da CUT, Sérgio Nobre, diz que a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 32/20 é "proposta do governo criminoso de Bolsonaro"

atualizado 28/10/2021 16:46

Nesta quinta-feira (28/10), Dia Nacional do Servidor Público, manifestantes se reuniram em frente ao Ministério da Economia para protestar contra a reforma administrativa, matéria da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 32/20.

Estiveram presentes as entidades e sindicatos que representam o setor nas três esferas (municipal, estadual e federal) e também o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Sérgio Nobre.

Em meio ao ato, Nobre disse que a PEC trata-se de uma “proposta do governo criminoso de Bolsonaro, que tem o objetivo de desmontar e entregar o serviço público e acabar com os direitos dos servidores”.

“O povo brasileiro está consciente e sabe o quanto os servidores e serviços públicos são importantes ao país, para a educação, a saúde, importância que ficou ainda mais evidente na pandemia de Covid-19, com o trabalho inestimável do SUS. Educação e saúde no Brasil não podem prescindir, jamais, do serviço público”, ressalta o presidente.

Veja vídeo:

PEC 32

A Proposta de Emenda Constitucional (PEC) da “Nova Administração Pública”, divulgada pelo Ministério da Economia no dia 3 de setembro, altera pontos que vão do ingresso dos servidores aos salários que receberão e a formas de eventuais demissões.

Entre as mudanças, está o corte de benefícios e vantagens, além de mudanças no regime de contratação. Licenças, aumentos e férias superiores a 30 dias serão dificultados ou até mesmo extintos. Após concurso público, só os mais bem avaliados serão efetivados.

Mais lidas
Últimas notícias