Veja os inquéritos no STF que atingem Bolsonaro e dois de seus ministros

Presidente é investigado por suposta interferência na PF; ministro da Saúde, por causa da crise no Amazonas; e o da Educação, por homofobia

atualizado 25/01/2021 20:20

Hasteamento da Bandeira Nacional no Palácio da Alvorada com o presidente Jair Bolsonaro e ministrosHugo Barreto/Metrópoles

Com a autorização da abertura de um inquérito contra o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, nesta segunda-feira (25/1), por causa da crise no Amazonas, dois ministros – dos 22 que compõe o atual governo – são alvo de investigações no Supremo Tribunal Federal (STF). Além deles, o próprio presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), é investigado na Corte.

O terceiro nome do Executivo, que aparece em trâmite na Suprema Corte, é o do ministro da Educação, Milton Ribeiro. Ele foi acusado, pelo vice-procurador-geral da República, Humberto Jacques de Medeiros, de proferir falas homofóbicas. O titular do MEC afirmou, em entrevista, que jovens homossexuais são consequência de “famílias desajustadas”.

Bolsonaro, Ribeiro e Pazuello não são exceções na atual gestão. Antes deles, outros integrantes do governo – que acabaram sendo demitidos ou pedindo para deixar o cargo – fizeram parte de processos de investigação no Supremo. Entre eles, estão os ex-ministros Abraham Weintraub (da Educação) e Marcelo Álvaro Antônio (do Turismo).

Já Ricardo Salles, do Meio Ambiente, que chegou a ser denunciado por uma fala durante reunião ministerial, em 22 de abril do ano passado, na qual defendeu “passar a boiada e mudar as regras” de proteção ambiental enquanto a atenção da mídia estava voltada para a pandemia de Covid-19, teve notícia-crime arquivada pelo ministro Alexandre de Moraes.

Pazuello e a crise no Amazonas

O ministro Ricardo Lewandowski autorizou nesta segunda-feira (25/1) a abertura de inquérito pedido pela Procuradoria-Geral da República (PGR) sobre a conduta de Pazuello na crise de saúde no Amazonas.

O estado tem vivido dias de caos na saúde pública em decorrência da explosão no número de casos de Covid-19. Na semana passada, chegou a faltar oxigênio nas unidades de saúde, levando à morte pacientes que necessitavam de tratamento hospitalar para a doença.

Milton Ribeiro e as falas homofóbicas

Em um culto nesse domingo (24/1), Milton Ribeiro disse não ter “vergonha de pregar o Evangelho” a qualquer momento e que, por defender o que a Bíblia diz, responde ao inquérito no STF.

Ribeiro foi denunciado pela PGR por eventual crime de homofobia. Em setembro do ano passado, o pastor evangélico disse que a a homossexualidade não seria normal e atribuiu sua ocorrência a “famílias desajustadas”.

Bolsonaro e rixa com Moro

O inquérito contra Bolsonaro no STF é resultado das declarações feitas pelo ex-ministro da Justiça Sergio Moro, quando deixou o governo. À ocasião, o ex-juiz da Operação Lava Jato afirmou que o presidente teria tentado interferir no comando da PF e que isso foi um dos principais motivos para o seu pedido de demissão.

Segundo Moro, que também é alvo do inquérito, Bolsonaro solicitou relatórios de inteligência e pediu trocas no comando da corporação. O presidente da República nega as acusações.

Mais lidas
Últimas notícias