PF vai investigar venda de dados pessoais de Bolsonaro e ministros do STF

As autoridades seriam vítimas, assim como outras dezenas de milhões de brasileiros, de um megavazamento de informações pessoais

atualizado 03/02/2021 18:54

Alexandre de MoraesRosinei Coutinho/SCO/STF

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou à Polícia Federal a abertura de inquérito para investigação de vazamento de informações de dados pessoais e sigilosos de ministros da Corte e do presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido).

No despacho, ele determinou que relatório elaborado por perito analisando a divulgação dos dados, e que identifica endereços eletrônicos que estariam comercializando ilegalmente os dados, seja autuado no Supremo como petição autônoma e sigilosa.

Por prevenção, o processo será relatado também pelo ministro Alexandre, relator do inquérito que apura ofensas e ameaças aos ministros do STF.

Na última segunda-feira (1º/2), o presidente do STF, ministro Luiz Fux, pediu providências a respeito de suposta comercialização de dados dos magistrados da Corte e de Bolsonaro, noticiada pelo jornal “O Estado de S.Paulo”. Foram enviados ofícios ao ministro da Justiça, André Mendonça, e ao ministro Alexandre de Moraes.

No despacho, o ministro Alexandre de Moraes destacou que a comercialização de informações e dados privados e sigilosos de membros do Supremo “atinge diretamente a intimidade, a privacidade e segurança pessoal de seus integrantes”.

Últimas notícias