Fux rebate fala de advogado que citou Bíblia: “STF não se omitiu”

"Pai, perdoa-lhe, porque eles não sabem o que fazem", disse o advogado sobre ministros que votarem contra a liberação de cultos

atualizado 07/04/2021 17:32

Cerimônia posse do ministro Luiz Fux na presidência do Supremo Tribunal Federal STFIgo Estrela/Metrópoles

O presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luiz Fux, rebateu a sustentação feita pelo advogado Luiz Gustavo Pereira da Cunha, do PTB – partido presidido pelo ex-deputado e bolsonarista Roberto Jefferson, durante julgamento sobre liberação de cultos durante a pandemia de Covid-19, que citou trecho da Bíblia: “Pai, perdoa-lhe, porque eles não sabem o que fazem”.

A declaração do advogado foi destinada aos ministros que votarem pelo fechamento de igrejas. Fux rebateu: “Essa misericórdia divina é destinada aos que se omitem diante dos males, e o STF não se omitiu”.

Segundo o presidente do STF, o tema “impõe uma escolha trágica” à Corte, mas a “missão é de lutar pela vida e pela esperança”.

O caso está sendo analisado pelo plenário do STF, após divergência entre os ministros Nunes Marques e Gilmar Mendes.

Últimas notícias