Dodge não pediu federalização da investigação de Marielle

O caso permanece na delegacia de homicídios do Rio de Janeiro, onde o crime ocorreu

Renan Olaz/CMRJRenan Olaz/CMRJ

atualizado 12/09/2019 18:43

Diferentemente do que foi publicado nessa quarta-feira (11/09/2019), a procuradora-geral da República, Raquel Dodge, não pediu ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) a federalização das investigações sobre a execução da vereadora Marielle Franco (PSol-RJ), morta a tiros em março do ano passado.

Atualmente, a Delegacia de Homicídios do Rio de Janeiro é responsável por tocar o inquérito. Anteriormente, foi comunicada a possibilidade de o caso ser direcionado ao Ministério Público Federal e à Polícia Federal. Contudo, a transferência ainda não foi solicitada formalmente.

Há um documento no qual Dodge pede a federalização de processos referentes à crimes ocorridos igualmente no Rio de Janeiro, mas não do assassinato de Marielle Franco e do seu motorista, Anderson Gomes. O Metrópoles e outros veículos de mídia tiveram o entendimento de que se tratava do caso da vereadora, e foram rapidamente corrigidos pela assessoria do MPF.

Na semana passada, a procuradora-geral se manifestou sobre a morte da vereadora e de seu motorista. Para ela,  há “indícios de autoria intelectual” do homicídio por parte do conselheiro afastado, mas não expulso, do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ) Domingos Inácio Brazão.

Dodge acredita ainda que Brazão pode ter usado a estrutura de seu cargo para obstruir as investigações do caso.

Últimas notícias