Improbidade: filhos de Benedita da Silva e ex-reitor da Uerj são condenados

Além deles, mais dois funcionários foram condenados por improbidade administrativa

atualizado 18/06/2021 21:38

Divulgação

Rio de Janeiro – Dois filhos da deputada federal Benedita da Silva (PT), além do ex-reitor da Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ) e mais dois funcionários foram condenados por improbidade administrativa pela desembargadora Maria Isabel Paes Gonçalves, da 2ª Câmara Cível, do Tribunal de Justiça.

A ação do Ministério Público alegou que Pedro Paulo e Nilcéa Aldano, filhos da parlamentar, eram funcionários fantasmas da universidade, entre abril de 2010 e fevereiro de 2011, cedidos pela Câmara Municipal do Rio de Janeiro. À época, Benedita era secretaria estadual de Assistência Social e Direitos Humanos.

Eles contaram com a ajuda do ex-reitor da Uerj, Ricardo Vieira Alves, da então chefe de gabinete Regina Maria Weissmann e do então assessor do reitor Juzeler Mauro da Silva.

Na decisão, Pedro Paulo e Nilcéia foram condenados a devolver os salários, pagar multa, tiveram os direitos políticos suspensos por 8 anos, além de proibição de contratar com o estado e receber incentivos fiscais por 3 anos. Os outros réus tiveram os direitos políticos suspensos por 5 anos e pagamento de multa civil.

O Metrópoles ainda não localizou a defesa dos réus. O espaço continua aberto.

Últimas notícias