Metrópoles tem 13 profissionais entre os mais premiados da história no Centro-Oeste

Para fazer o ranking, o Jornalistas & Cia lista 170 prêmios de jornalismo nacionais e internacionais, entre iniciativas extintas e ativas

atualizado 08/01/2021 9:41

Igo Estrela/Metrópoles

O Metrópoles tem 13 profissionais entre os mais premiados da história no Centro-Oeste. No ranking organizado pelo Jornalistas & Cia, aparecem Lilian Tahan (7º lugar), Priscilla Borges (11º lugar), Saulo Araújo (17º), Leilane Menezes (28º), Michael Melo (37º), Olívia Meireles (45º), Saulo Marques (45º), Érica Montenegro (49º), Maria Eugênia (59º), Gui Prímola (60º), Manoela Alcântara (60º), Rafaela Felicciano (76º) e Juliana Contaifer (97º).

Para fazer o ranking, os organizadores listam 170 prêmios de jornalismo nacionais e internacionais, entre iniciativas extintas e ativas. Cada concurso dá de 100 a cinco pontos aos vencedores. Essa escala varia de acordo com o perfil da premiação (internacional, nacional, regional ou interno de veículo), tipo (por matérias jornalísticas, conjunto da obra ou votação direta) e temática (geral ou específica).

Em 2020, o Metrópoles conquistou 22 troféus e certificados. Essas vitórias são resultado do esforço coletivo de 200 profissionais que compõem o site, a rádio e a editora.

O jornalismo do portal foi reconhecido por quatro instituições internacionais. Pelo segundo ano seguido, o Metrópoles venceu o Premio a la Excelencia Periodística, concedido por La Sociedad Interamericana de Prensa (SIP). A matéria Carros-fortes, Homens Indefesos levou a categoria Cobertura de Notícias na Internet, e a reportagem Meninos-soldados recebeu menção honrosa por Cobertura de Notícias para Celular.

A equipe de repórteres ganhou, ainda, o Prêmio Roche de Jornalismo em Saúde, organizado pela Fundação Gabo, instituição criada pelo escritor Gabriel García Marquez. O projeto Elas por Elas, que concorria com 876 trabalhos produzidos por diversos veículos da América Latina, venceu na categoria Cobertura Diária. No mesmo concurso, a matéria As Mães da Zika Abandonadas no Coração do Brasil disputou o melhor trabalho de Jornalismo Digital.

Em fevereiro, o Metrópoles venceu o prêmio The Best of Digital Design. O concurso, organizado pela Society of News Design, é o mais importante do mundo na área de jornalismo gráfico. O portal recebeu uma medalha de bronze e dois prêmios de excelência.

A reportagem 59 Anos de Muito Som levou a medalha de bronze na categoria Format – Use of Audio in Digital Storytelling/Infographics/Social Media. O especial Reescravo: a história se repete no Brasil que ainda espera abolição ganhou o prêmio de excelência na seção Product Design – Best Landing Page. Por fim, A Voz do Presidente se destacou entre os trabalhos de Information Graphics – National.

O Metrópoles também foi reconhecido pelo Ñh 2020 – Lo Mejor del Diseño Periodístico, braço ibero-americano da SND. A matéria especial As Mães da Zika Abandonadas no Coração do Brasil levou medalha de bronze na categoria Long Form Features.

Na última semana de dezembro, o portal recebeu a notícia de que foi finalista do prêmio internacional True Story Award 2020/21. A reportagem Os Segredos dos Arautos concorre com outros nove jornais brasileiros e portugueses. Também participam do concurso matérias dos seguintes veículos: Vanity Fair, The New Yorker, The Guardian, Die Zeit, Der Spiegel, El País e Le Monde.

Em 2020, importantes instituições nacionais também reconheceram o trabalho do portal. A equipe do Metrópoles recebeu quatro indicações ao 27º Prêmio CNT de Jornalismo. A matéria Invisíveis no Banco da Frente venceu na categoria Internet; o trabalho O Brasil que Não Parou disputou o título de melhor fotografia e melhor reportagem on-line; e a imagem Do Temor ao Alívio estava no pleito para ser a melhor do ano.

Pelo quarto ano consecutivo, o Metrópoles foi vencedor do Prêmio Policiais Federais de Jornalismo. A matéria Meninos-soldados: a infância a serviço do tráfico de drogas levou a categoria Webjornalismo e ainda ganhou o Voto On-line – troféu escolhido pela votação dos policiais federais de todo o Brasil.

A matéria Invisíveis no Banco da Frente ainda venceu o Prêmio 99 de Jornalismo, na categoria Profissionais de Jornalismo, e foi finalista do Prêmio CICV de Cobertura Humanitária, organizado pelo Comitê Internacional da Cruz Vermelha, na categoria Reportagens e Documentários.

O Metrópoles também conquistou o Prêmio Synapsis FBH de Jornalismo, organizado pela Federação Brasileira de Hospitais. A matéria As Mães da Zika Abandonadas no Coração do Brasil levou a categoria Internet.

Em março, o Elas por Elas conquistou o 14° Troféu Mulher Imprensa. O projeto cobriu sistematicamente os feminicídios de 2019 no Distrito Federal. O portal concorria na categoria Melhor Reportagem Especial ou Série com Temática sobre Violência contra a Mulher.

No campo local, o jornalista Caio Barbieri, da coluna Janela Indiscreta, ganhou o Prêmio Brasília: o novo olhar do turismo, na categoria Profissionais de Imprensa.

A equipe de reportagem do portal também concorreu ao 42° Prêmio Vladimir Herzog, um dos mais prestigiados do país, com dois trabalhos. A série Elas por Elas e a matéria especial Carros-fortes, Homens Indefesos disputaram a categoria Produção Jornalística em Multimídia.

Por fim, a reportagem Os Segredos dos Arautos foi finalista do 8º Prêmio República de Valorização, do Ministério Público Federal (MPF), na categoria Webjornalismo.

Últimas notícias