metropoles.com

GO: adolescente que planejava massacre tinha acesso a armas em casa

Metrópoles apurou que jovem de 16 anos é filho de militar do Exército; à polícia, disse que gosta mais de brancos e responderá por racismo

atualizado

Compartilhar notícia

Montagem sobre reprodução de material divulgado pela PCGO
Cadernos de adolescente suspeito de planejar ataque a escola em Goiânia
1 de 1 Cadernos de adolescente suspeito de planejar ataque a escola em Goiânia - Foto: Montagem sobre reprodução de material divulgado pela PCGO

GoiâniaO adolescente de 16 anos que planejava um massacre numa escola de Goiânia, segundo a Polícia Civil de Goiás, tinha acesso a armas em casa. A delegada responsável pelo caso, Marcella Orçai, titular da Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente (DPCA), conta que a investigação teve acesso a conversas mantidas por ele, nas quais ele chega a dizer que sabe manusear armas de fogo.

O adolescente, conforme apurado pelo Metrópoles, é filho de um militar do Exército e foi apreendido em casa, na Vila Militar localizada no Jardim Guanabara, bairro da região norte de Goiânia. A operação foi na manhã desta quinta-feira (27/5).

As armas, possivelmente, pertenceriam ao pai, que não estava em casa, quando a equipe da Polícia Civil esteve no local para cumprir o mandado de busca e apreensão. “Estamos falando de um menor que tem acesso a material bélico em casa”, reforça a delegada.

O caso foi descoberto com auxílio da Homeland Security Investigations da Embaixada dos Estados Unidos no Brasil e da Secretaria de Operações Integradas do Ministério da Justiça, através do Laboratório de Operações Cibernéticas.

0
Mensagens de ódio

Com o adolescente, foram apreendidos celulares, desenhos e objetos que fazem alusão à doutrina nazista e com teor racista. Na hora, segundo a polícia, tinham outras pessoas da família na residência, que se demonstraram surpresas, mas que disseram à polícia que o menor já havia tido problemas anteriores ocasionados por mensagens de ódio.

“Ele não teve medo de confessar que é racista e que admira a doutrina nazista”, afirma a delegada. Ao ser interrogado, o adolescente disse a seguinte frase: “Gosto mais de branco, porque branco é mais confiável”.

A investigação não consegue precisar, ainda, qual escola seria alvo do adolescente, tampouco quando o ataque ocorreria. O material recolhido, segundo a delegada, é farto e será periciado.

O jovem mantinha conversas por meio de chats e aplicativos com adolescentes de outros locais do país, nas quais foi mencionada a intenção de praticar o massacre contra uma escola da capital goiana. Aos policiais, ele disse que era apenas uma brincadeira.

O caso, no entanto, alarmou a atenção policial, em razão do fácil acesso que o adolescente tem a armas de fogo. Entre o material coletado, encontrou-se, além de suásticas (símbolo nazista), mensagens de cunho violento, racistas, xenofóbicas e conteúdos que veneram os massacres que já ocorreram em escolas do Brasil, como o ocorrido em Realengo, no Rio de Janeiro, e em Suzano (SP).

“School shooters”

Segundo a delegada, os adolescentes, que fazem parte do que ela define como uma rede de contatos que se conecta por meio de grupos e perfis nas mídias sociais, se definem como “schools shooters” (atiradores de escola).

O jovem apreendido em Goiânia mantinha diálogo com um adolescente específico, que mora em outro estado. Em um dos diálogos, segundo Orçai, eles falam sobre o avanço do plano para cometer o massacre e confirmam, um ao outro, que já estavam em fase de preparação.

“São vários grupos e perfis criados por eles nas redes sociais, em aplicativos, por meio dos quais eles conversam”, descreve a delegada. A investigação segue no sentido de identificar mais pessoas pertencentes a essa rede de contatos. “Pode, inclusive, ter adultos envolvidos”, adianta a delegada.

O menor foi levado para a Delegacia de Polícia de Apuração de Atos Infracionais (Depai), em Goiânia, onde passou pelos procedimentos de apreensão de menor. A princípio, ele está sendo responsabilizado pelo ato infracional de racismo, que foi o que ele confessou.

O delegado da unidade vai avaliar a necessidade de mantê-lo ou não apreendido. Da mesma forma, deve ser avaliada a pertinência de um acompanhamento profissional. Pela natureza do crime, ele deve ser liberado para a família.

Situação semelhante

Na semana passada, um caso semelhante também conseguiu ser evitado no Distrito Federal. Policiais Civis da Delegacia Especial de Repressão aos Crimes Cibernéticos, em parceria com a Adidância da Polícia de Imigração e Alfândega dos Estados Unidos, deflagraram a Operação Shield e, nesta sexta-feira (21/5), ouviram uma pessoa suspeita de planejar um massacre em escola do Recanto das Emas, no Distrito Federal. A jovem investigada tem 19 anos.

Colégio Goyases

Em Goiânia, em outubro de 2017, o ataque a uma escola de educação básica chocou a cidade. Um adolescente entrou armado no Colégio Goyases, instituição particular em que estudava, e atirou contra os colegas, matando dois e ferindo outros quatro. À época, o estudante tinha 14 anos.

O adolescente, que é filho de policiais militares, cursava o 8º ano e durante um intervalo entre aulas, tirou uma pistola .40 da mochila e disparou contra os colegas de classe. Enquanto ele se preparava para carregar o revólver, foi convencido pela coordenadora da unidade educacional a travar a arma. O garoto pegou o objeto da mãe dentro da própria casa.

Os estudantes João Vitor Gomes e João Pedro Calembo, ambos de 13 anos, morreram no local. Já outros quatro alunos, sendo três meninas e um menino, ficaram feridos e foram socorridos.

Segundo o delegado Luiz Gonzaga Júnior, que acompanhou o caso até o fim, o autor dos tiros disse que sofria bullying de um colega e, inspirado em massacres como o de Columbine, nos Estados Unidos, e de Realengo, no Rio de Janeiro, decidiu cometer o crime.

O adolescente que atirou contra os colegas cumpriu medida socioeducativa por quase três anos no município de Anápolis, a cerca de 55 km de Goiânia, e foi liberado há cerca de um ano, em maio de 2020. Segundo a Secretaria de Desenvolvimento Social de Goiás (SED), ele foi solto atendendo a uma determinação do Juizado da Infância e Juventude. O caso corre em segredo de Justiça.

Compartilhar notícia

Quais assuntos você deseja receber?

sino

Parece que seu browser não está permitindo notificações. Siga os passos a baixo para habilitá-las:

1.

sino

Mais opções no Google Chrome

2.

sino

Configurações

3.

Configurações do site

4.

sino

Notificações

5.

sino

Os sites podem pedir para enviar notificações

metropoles.comNotícias Gerais

Você quer ficar por dentro das notícias mais importantes e receber notificações em tempo real?

Notificações