Ministro da Educação diz que “encheram” Brasil de universidades

Milton Ribeiro defendeu que o foco na educação deve ser a alfabetização e criticou o aumento de universidades por governos anteriores

atualizado 05/10/2021 21:39

Ministro da Educação, Milton RibeiroArthur Menescal/Especial Metrópoles

Em evento evangélico realizado em Brasília na tarde desta terça-feira (5/10), o ministro da Educação, Milton Ribeiro, que é pastor, criticou o número de universidades públicas criadas em governos anteriores, sinalizando que há um excesso de instituições de ensino superior.

Seguindo o programa do presidente Jair Bolsonaro (sem partido), o ministro defendeu que o alicerce na educação brasileira deve ser o nível básico, com foco na alfabetização.

“Uma casa só se sustenta se ela tiver um bom alicerce. E o alicerce na educação, que é o meu tema hoje, é a alfabetização. Como é que se pode imaginar alguém construir uma casa começando pelo telhado? Quando eu falo em universidade, que foi democratizada, como se canta por aí, encheram de telhados, esqueceram do alicerce. O que nós temos hoje: jovens que são analfabetos funcionais, não entendem o que leem”, disse Ribeiro.

De acordo com o titular da pasta federal, a maior parte das instituições de ensino superior precisa dar um reforço aos estudantes recém-ingressos. “Meninos que chegam para fazer engenharia que não sabem fazer uma regra de três. Essa é a situação, esse é o quadro”, criticou.

Milton Ribeiro e outros ministros de Estado participam do “Simpósio Cidadania Cristã”, promovido pela Confederação dos Conselhos de Pastores do Brasil (Concepab). O evento é realizado na Igreja Batista Central, em Brasília, e deve contar ainda com a presença do presidente Bolsonaro.

Críticas ao PT

No pronunciamento desta terça-feira, Milton Ribeiro disse ainda que governos anteriores, mesmo com educadores e pessoas celebradas pelo mundo acadêmico à frente da pasta da Educação, conseguiram “colocar a educação pública brasileira em um nível tão ruim” e citou os resultados do Programa Nacional de Avaliação de Estudantes (Pisa).

O ministro, que está no governo federal desde julho de 2020, já atribuiu aos governos do Partido dos Trabalhadores (PT) a qualidade da educação brasileira.

Para ele, os governos que antecederam a gestão de Bolsonaro deixaram “uma herança ruim” ao país. “Tivemos 20 anos de governo de esquerda, que levaram o país a essa situação. Eu estou colhendo frutos. Estou me esforçando em um ano de pandemia, com poucos recursos. Parece que o governo Bolsonaro é essa terra arrasada”, destacou ele, em setembro deste ano, na Comissão de Educação, Cultura e Esporte do Senado Federal.

Últimas notícias