Ibovespa renova recorde e vai a 102 mil pontos com Fed e Previdência

Possibilidade de corte de juros nos EUA e avanço na tramitação da reforma da Previdência embalam otimismo do mercado

MICHAEL MELO/METRÓPOLESMICHAEL MELO/METRÓPOLES

atualizado 21/06/2019 19:44

O Ibovespa operou esta sexta-feira (21/06/2019) toda em alta firme e bateu novo recorde histórico, acima dos 102 mil pontos, mesmo em um pregão pós-feriado, fraco de notícias locais. Na semana, o principal índice de ações brasileiro acumulou ganho de 4,05%, a maior alta desde a última semana de dezembro de 2018.

Operadores destacam que o otimismo dos investidores, mesmo depois de o Ibovespa ter rompido a barreira dos 100 mil pontos na quarta-feira (19/06/2019), foi embalado nesta sexta por um ajuste das ações, após a B3 não operar na quinta (20/06/2019) e o S&P 500 bater recorde, além da crescente possibilidade de corte de juros em breve nos Estados Unidos e do aumento da chance de votação da reforma da Previdência antes do recesso parlamentar.

Trump e Xi

A expectativa dos agentes agora é para o encontro na semana que vem no Japão, durante a reunião do G-20, entre os presidentes dos Estados Unidos, Donald Trump, e o da China, Xi Jinping. O tema principal é discutir a situação comercial das duas maiores economias do mundo.

“A reunião pode moderar as tensões comerciais, mas o timing de um acordo final vai permanecer altamente incerto”, ressaltam os estrategistas do Citibank em Nova York.

As bolsas americanas estão muito sensíveis ao tema e, nesta sexta (21/06/2019) pela manhã, após relatos de progresso nas negociações de Pequim e Washington, os índices em Nova York zeraram as perdas e passaram a subir, mas perderam fôlego e fecharam em leve baixa.

Previdência

Para o analista da Terra Investimentos Régis Chinchila, a sinalização de que os bancos centrais nos EUA e em outras partes do mundo desenvolvido podem reduzir juros é positiva para o Brasil, pois o país pode atrair mais capital externo. Internamente, destaca ele, o mercado passou a ficar mais otimista com a tramitação da reforma da Previdência e a chance de votação na Câmara em julho.

“O Ibovespa está embutindo a aprovação da Previdência e o fluxo novo de capital para emergentes”, disse ele. Pela análise gráfica, o Ibovespa pode testar os 107 mil pontos e os 115 mil com a aprovação da reforma.

Segundo fontes ouvidas pelo Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado), está a caminho um acordo entre o Planalto e a Câmara para votar o texto antes do recesso.

O Ibovespa fechou em alta de 1,70%, aos 102.012,64 pontos. Na B3, o volume de negócios desta sexta (21/06/2019) foi de R$ 18,6 bilhões, considerado bom para um pregão entre um feriado e um fim de semana, normalmente marcado por fraca liquidez.

Últimas notícias