Governo comemora “eficácia do conjunto de ações” após queda do PIB

Riquezas do país tiveram a maior retração em 25 anos. Contudo, Economia acredita que medidas durante a pandemia ajudaram o cenário

atualizado 03/03/2021 11:47

Michael Melo/Metrópoles

Após anunciar uma queda de 4,1% no Produto Interno Bruto (PIB) em 2020, maior queda desde 1996, o Ministério da Economia divulgou nota elogiando a “eficácia do conjunto de ações de estímulo à economia” durante a pandemia de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.

Na avaliação do governo, as ações evitaram que o PIB tivesse uma queda superior a 9%. As informações foram divulgadas nesta quarta-feira (3/3). As riquezas do país totalizaram R$ 7,4 trilhões no ano passado.

“Os resultados do PIB corroboram a recuperação das expectativas de melhora da atividade econômica ao longo do segundo semestre de 2020 e demonstram o acerto das medidas adotadas de enfrentamento à Covid-19 e a pronta reação da economia brasileira”, destaca a Secretaria de Política Econômica.

Segundo o governo, “importantes medidas econômicas foram elaboradas pelo governo e aprovadas em parceria com o Congresso Nacional”.

Marcos legais

A nota acrescenta: “A agenda de fortalecimento de marcos legais teve avanços relevantes com a aprovação de novas legislações referentes a saneamento básico, licitações e falências”, frisa o texto.

O governo acredita que a recuperação da economia está ocorrendo na forma de “V”, o que segundo o Ministério da Economia, comprova o retorno da economia a patamar anterior à pandemia.

Para 2021, o governo adverte que é essencial combinar um conjunto de elementos, que a expansão da vacinação e a continuidade das reformas estruturais.

“A combinação desses fatores elevará a confiança e garantirá maior vigor da atividade ao longo do ano, especialmente, porque as incertezas econômicas globais continuam elevadas devido à continuidade da pandemia”, prevê a equipe econômica.

Últimas notícias