Doria sobre vacina: “Salve vidas, presidente, e deixe eleições para depois”

Para o governador de São Paulo, o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, agiu corretamente em relação à compra do produto chinês

atualizado 21/10/2020 13:04

Coletiva de imprensa com o Governador João Doria, no salão Azul do senado FederalHugo Barreto/Metrópoles

O governador de São Paulo, João Doria (PSDB) fez um apelo ao presidente Jair Bolsonaro para que ele não recrimine o ministro da Saúde, que a seu ver, agiu corretamente em relação a compra da vacina do instituto Butantan.

“Peço a compreensão do presidente e o seu sentimento humanitário para compreender que seu ministro da Saúde agiu corretamente, baseado na medicina”, afirmou o governador. “Salve vidas, presidente Bolsonaro, e deixe as eleições para depois”.

0

“Não há razão para recriminar ou censurar um ministro da Saúde por ter agido corretamente em nome da ciência e saúde. Há que aplaudi-lo”. “O Brasil não pode viver em conflagração, precisamos viver uma união. Agir contra isso é agir contra o Brasil e os brasileiros”.

O governador de São Paulo questionou a existência dos ministros, se eles não podem expressar as próprias opiniões. Para Doria, não há motivo para o presidente Jair Bolsonaro desautorizar o ministro da Saúde, ao não ser ideológico e político. O ministro está “ao lado da ciência”, diz o governador, e o presidente deveria respeitá-lo diante do anúncio feito na terça-feira (20/10) de compra de 46 milhões de doses da Coronavac, vacina da farmacêutica chinesa Sinovac.

“A vacina é que vai nos salvar, não é a ideologia política ou processo eleitoral”, disse o governador. “Total confiança no ministro da Saúde. Desde que ele assumiu, demonstrou sensibilidade, correção e foi republicano. Respeite [presidente] o seu ministro da Saúde. O senhor o indicou e o ratificou. É o terceiro ministro da Saúde. Não é razoável que um presidente não respeite decisões de ministros indicados por ele”, disse.

Veja vídeo:

Últimas notícias