Dirigentes da Petrobras não terão aumento. Verba é de R$ 47 mi por ano

Estatal não terá reajuste no salário fixo dos gestores da companhia, permanecendo os mesmos valores praticados desde abril de 2016

atualizado 12/03/2021 12:06

Tânia Rêgo/Agência Brasil

Nesta sexta-feira (12/3), a Petrobras anunciou que a Assembleia Geral Ordinária dos Acionistas (AGO), convocada para o dia 14 de abril, vai deliberar sobre a proposta de remuneração dos Administradores da Petrobras (integrantes da Diretoria Executiva e do Conselho de Administração).

Mais uma vez, não será proposto reajuste no salário fixo dos gestores da companhia, permanecendo os mesmos valores já praticados desde abril de 2016, segundo a estatal.

A verba para os meses de abril de 2021 a março de 2022 é de aproximadamente R$ 47 milhões. De acordo com um relatório divulgado pelo Ministério da Economia, o salário mais alto na Petrobras é de R$ 106 mil mensal. Essa é a remuneração mais alta de uma estatal brasileira.

De acordo com a Petrobras, no entanto, o montante global que será deliberado na próxima AGO é 8,57% superior ao anterior.

“Esse acréscimo corresponde à provisão do Programa de Remuneração Variável de 2020, decorrente dos excelentes resultados financeiros apresentados no ano passado, e do acúmulo de parcelas diferidas (remanescentes) de exercícios anteriores e seus respectivos encargos”, explicou a empresa em nota.

Remuneração do presidente

A remuneração total anual do presidente da Petrobras, incluindo bônus, corresponde a 25% da remuneração total anual dos presidentes de outras empresas do mercado nacional de porte equivalente, considerando-se a faixa mediana de remuneração.

“Já para os diretores, a remuneração corresponde a 72% comparativamente aos seus pares, nas mesmas bases, segundo pesquisas salarias das principais consultorias de recursos humanos do país”, pondera a estatal.

As informações sobre a remuneração dos diretores são públicas e estão disponíveis no Formulário de Referência publicado anualmente no site de investidores da Petrobras.

Mais lidas
Últimas notícias