EUA pedem que o Brasil pague transporte de futuros deportados

Departamento de Segurança Interna dos EUA agradeceu suporte do Brasil, que autorizou vinda de voo fretado, mas pediu "mais esforços"

Foto: PF/Divulgação

atualizado 27/01/2020 17:38

Após o Brasil receber, no último sábado (25/01/2020), o segundo avião fretado pelos Estados Unidos (o primeiro chegou em outubro de 2019) para devolver brasileiros deportados, o país norte-americano agradeceu a boa vontade, mas cobrou mais esforços do governo brasileiro para coibir a imigração ilegal – inclusive pagando por futuros voos.

O pedido por “mais cooperação” foi feito pelo secretário adjunto interino do Departamento de Segurança Interna dos EUA, Ken Cuccinelli, em conferência com jornalistas na tarde desta segunda-feira (27/01/2020). Em inglês, o órgão se chama Department of Homeland Security.

“Tivemos problemas recentes com o aumento de ilegais vindos do Brasil, mas o governo brasileiro tem sido um bom parceiro na repatriação desses ilegais”, disse a autoridade norte-americana. “Apesar da melhora na parceria, esperamos que o Brasil aja mais ativamente para evitar a imigração ilegal e inclusive leve de volta as pessoas por si mesmo”, completou Cuccinelli, sugerindo que o Brasil – e não os EUA – pague pelo fretamento aéreo. Nos dois casos até agora, o governo norte-americano arcou com todos os custos da operação.

Viajando algemados
Um grupo de aproximadamente 50 brasileiros deportados desembarcou na noite de sexta-feira (24/01/2020) por volta das 23h30 no Aeroporto Internacional de Confins (MG), vindo de El Paso, no Texas.

Segundo passageiros ouvidos por jornalistas que aguardavam o voo, todos os homens ou mulheres solteiras estavam com algemas nas mãos e nos pés durante todo o voo. Mães com filhos, não.

Questionado algumas vezes sobre o voo – que foi autorizado pelo governo brasileiro – o presidente Jair Bolsonaro tem defendido o direito dos EUA de proteger suas fronteiras. “Em qualquer país do mundo, onde as pessoas estão lá de forma clandestina, é o direito daquele chefe de Estado usando da lei para devolver esses nacionais”, disse o presidente brasileiro no último sábado (25/01/2020).

Últimas notícias